Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

É IMPORTANTE QUE HAJA CONFORMIDADE ENTRE TODOS OS COMPARTIMENTOS DO TIME TRICOLOR

 

Marquinhos - Preocupado com o setor defensivo

 

Vamos para a penúltima rodada com seis times brigando de forma ferrenha por quatro vagas na próxima fase: ABC (28) pontos; Fortaleza (26); Botafogo (26), Remo (24), ASA (24) e Cuiabá (20), este com menores possibilidades, entretanto enfrentando adversários hipoteticamente mais fracos.

 

O Fortaleza tem um confronto direto com o Remo e se vencer, irá a 29 pontos e estará classificado, haja vista que o Cuiabá com 20 não poderá mais alcança-lo e o próprio Remo permanecerá com os mesmos 24 pontos e a 5 do Tricolor, faltando apenas 3 a serem disputados.

 

Por outro lado o ASA recebe o Botafogo, em mais um jogo de seis pontos,  em que um dos dois ficará pelo meio do caminho, especialmente o ASA, que se perder ficará com 24 pontos  ou empatar permanecerá ira a 25 ficando,  no mínimo a 4 do Tricolor. Cravamos o empate nesse jogo.

 

O Fortaleza só depende de si para se classificar e da força da sua torcida que,  historicamente,  tem sido um grande baluarte, mormente nas horas de maiores dificuldades, a exemplo deste jogo decisivo de sábado em que somente a vitória lhe interessa.

 

Desnecessário dizer que esta é a primeira das decisões do Fortaleza e que estamos a apenas a duas decisões do mata-mata, vez que se o Fortaleza sair vitorioso, como esperamos, o jogo com o Botafogo, não menos importante por servir para determinar a posição na tabela, mas não lhe será de vida ou morte.

 

É nesse instante em que a união de todos será de fundamental importância e pelo que vimos nas declarações do Lima, através de  vídeo e na entrevista do Noé de Brito, Relações Públicas do clube, todos estão unidos e para usar uma palavra muito em voga, focados nos objetivos do clube que passa pela classificação e depois pela batalha para à ascensão, escada que terá de ser galgada degrau por degrau.

 

A união faz a força e revigora a determinação,  de forma que,  desde já e faremos isso por todos esses dias que antecedem a esse embate decisivo, conclamamos a torcida tricolor a carregar o time nos braços,  para lhe reforçar o ânimo através dessa energia positiva que brota das arquibancadas e que contagia todos os jogadores dentro das quatro linhas. Sábado queremos a torcida sendo essa mola propulsora que impulsionará o time à vitória. Todos no Castelão.

 

A torcida tricolor,  no treino de ontem,  deu uma demonstração inconteste de que está disposta a apoiar a equipe, tendo em vista que o Estádio Alcides Santos ficou praticamente lotado e a título de informação lembramos que a sua capacidade é de 7.000 pessoas, donde se infere que cerca de 5.000 torcedores compareceram ontem ao Pici.

 

Essa presença tem que ser louvada, até porque é importantíssima sob dois aspectos: Primeiro, os jogadores olham para as arquibancadas e veem que estão sendo incentivados pela massa tricolor passando a dar tudo de si por uma vitória. Em segundo lugar tomam consciência de que serão também cobrados passando assim a ficarem mais comprometidos com os objetivos do clube.

 

Por outro lado se tivemos cerca de 5.000 torcedores num treino podemos deduzir que a torcida, em razão da importância do jogo, comparecerá em massa, de modo que esperamos uma frequência de público em torno de 40.000 pessoas e temos a certeza de que essa meta será alcançada, pelo interesse que desperta a partida e em razão dos preços acessíveis e da promoção direcionada para a torcida feminina.

 

Temos muito a debater antes do jogo, mas estamos confiantes num bom desempenho do Fortaleza, a partir do meio de campo, que não se houve muito bem diante do ASA, até porque o Everton deverá ter uma atuação mais produtiva, agora com mais ritmo de jogo, ajudando a calafetar o lado esquerdo do nosso sistema defensivo, por onde os adversários têm urdido as tramas que resultam em gols e que sobrecarrega os demais setores, haja vista que o time vem sofrendo invariavelmente um gol por partida e geralmente antes dos dez minutos.

 

Conversei a respeito com um membro da comissão técnica do Fortaleza e este confirmava que essa é uma das maiores preocupações do Marquinhos e de todos, tanto é que nesta semana tentarão corrigir essa falha que vem sendo uma constante em toda a Série C. Oxalá, consigam, para nossa tranquilidade.

 

O Fortaleza precisa voltar a ter a coesão em todos os seus compartimentos, até porque um grande time começa por uma grande defesa e pela harmonia em todos os seus setores. Em isso acontecendo não tenho a menor dúvida de que ficaremos mais pertos da consecução dos nossos objetivos. A questão número um passa por detectar as falhas e corrigi-las. No meu ponto de vista a defesa está deixando os atacantes adversários muito à vontade, cuja solução passa por diminuir os espaços.

 

Ademais e vimos isso no gol contra o ASA, a defesa está jogando em linha sendo, por essa razão, facilmente batida por atacantes velozes, donde se conclui que precisamos ter uma sobra, até porque os nossos zagueiros são lentos. Por fim temos que marcar, especialmente dentro da área, o jogador e não apenas a bola, vez que os gols sofridos contra o Internacional ocorreram em razão dessa falha. Estamos apontando alguns erros e as respectivas soluções,  sem prejuízo de que outros possam ser detectados.

 

Por hoje c’est fini.

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.