Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

A FÁBRICA DE BOATOS DOS INIMIGOS DO FORTALEZA ESTÁ A PLENO VAPOR E O COMBUSTÍVEL É A MALEDICÊNCIA

20 Sep 2016

 

No momento em que o Fortaleza vai para um decisão a “indústria de boatos”, que prolifera no nosso futebol, comandada pelos inimigos do Tricolor, que se vestem de preto e branco, tanto a roupa como a alma, e pelos pseudotricolores, que se utilizam de microfones para destratar pessoa que trabalham pelo clube, profissionalmente ou de forma voluntária, entra em cena visando disseminar a discórdia e desestabilizar o Fortaleza, em todas as instâncias, do time à diretoria.

 

Com esse objetivo plantaram várias mentiras ou inverdades na data de ontem, aproveitando-se da fragilidade emocional de todos, em razão da saída do treinador, começando por espalhar que o jogador Rodrigo Andrade estaria irregular e que, por esse motivo o Fortaleza seria penalizado com a perda de pontos e com a consequente desclassificação, evocando, para tanto o artigo 44 do RGC – Regulamento Geral das Competições, da CBF.

 

Para que fique bem claro transcrevemos o artigo 44:

Art. 44 - O atleta que já tenha atuado por duas (2) outras entidades de prática desportiva durante a temporada, em quaisquer das competições nacionais do calendário anual coordenadas pela CBF, não pode atuar por uma terceira entidade, mesmo que esteja regularmente registrado.

 

Observem os senhores que de acordo com esse artigo o atleta somente poderá atuar no mesmo ano por duas equipes que participem de competições nacionais, Série A e Série B; Série A e Série C e Série B e Série C. O Rodrigo Andrade jogou durante esse ano pelo Chapecoense, Série A e pelo Fortaleza, Série C, estando, pois,  enquadrado no caput do artigo.

 

O Rodrigo Andrade jogou por uma terceira equipe, o Osasco Audax, pelo campeonato paulista, entretanto e os boateiros sabem disso que o § 1º do artigo 44 assim preconiza: “O atleta somente poderá estar registrado por três (3) entidades de prática desportiva durante a temporada”. § 2º - As copas regionais e os certames estaduais constituem exceção e não serão computados para fins dos limites de atuação e de registro fixados no caput e no § 1º deste artigo. § 3º - Entende-se por temporada para os fins deste artigo o período compreendido entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de cada ano.

 

Ver-se dessa forma que a Copa do Nordeste e outras copas similares e os campeonatos estaduais não conta para a contagem das três entidades e como o Rodrigo atuou como terceira equipe pelo Audax, que participou do campeonato paulista, o jogador está regular, ficando configurando que para trazer a dúvida e para preocupar a Nação Tricolor esses tunantes lançam esse tipo de rumor maldoso e de atoarda.

 

Os inimigos do Tricolor, verdadeiras forças maquiavélicas, como dissemos, procuram por todos os meios sórdidos, em surdina e na torpeza dos porões prejudicar o Fortaleza e para tanto não têm o menor escrúpulo em plantar inverdades ou em caluniar e nesse meio também entramos alguns segmentos tricolores, de muita força midiática, que vem fazendo dos incautos “massa de manobra”, instigando-os contra a Diretoria.

 

Agindo nessa linha, também ontem espalharam o boato de que o Marquinhos santos teria deixado o Fortaleza porque o nosso presidente teria pedido para que perdesse o jogo para o Botafogo, pleito que o teria irritado, levando-o a aceitar a proposta do Figueirense. Segundo os caluniadores o Jorge Mota preferia O Botafogo paulista.

 

Utilizaram-se para tanto do vídeo de uma entrevista do Marquinhos em que o mesmo afirmava que quem quer ascender ou ser campeão não pode escolher adversários, como se essa assertiva fosse um indício e a prova de que o presidente Jorge Mota teria feito o pedido. Ressalte-se  que preferir um ou outro clube todo mundo prefere, eu por exemplo preferiria o Ypiranga que não se classificou, mas daí pedi para perder um jogo são outros quinhentos.

 

Ocorre que esses difamadores, na ânsia de criar o caos não publicaram a pergunta em que o repórter indagava do treinador se ele era favorável a escolher adversários e resposta foi negativa e a que já conhecemos.  Essa publicação apenas de um texto e não do contexto e a subtração da pergunta nos mostra de forma cristalina e sobeja e que os mesmos subverteram a ordem dos fatos com o fito de enlamear o nome do Fortaleza. Acredito que esse pessoal não seja somente  inimigo do Tricolor, pois é muito provável  que receba incentivos financeiros de alguém.

 

A nossa recomendação, até porque a torcida do Fortaleza não é neófita, é de que não escutemos essa súcia que quer somente o mal do Fortaleza, e que é perigosa, até porque já vimos imagens de alguns de dos seus representantes gratificando jogadores de outros clubes em função do insucesso do Tricolor.

 

Essa é a hora, portanto, de união e de mandarmos às favas aqueles que fazem de programas de rádio verdadeiros palanques políticos, plataforma de defesa de campanhas eleitoreiras, que já vem de algum tempo. Por essa razão é que conclamo à torcida tricolor a sufragar no dia das eleições candidatos tricolores a Vereador que, verdadeiramente,  tenham serviços prestados ao clube, que sejam reconhecidos por todos os ícones tricolores. Não se deixem levar pelas divulgações inverídicas.

 

Por hoje c’est fini.  

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.