Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

OITAVAS MUITO EQUILIBRADAS

 

O Globo Esporte, recentemente divulgou palpite acerca das probabilidades dos clubes nas oitavas de final da Série C, jogos de ida, em enquete realizada com 36 dos seus jornalistas esportivos, os quais, indubitavelmente, estão entre os melhores do Brasil, contudo com toda a bagagem e conhecimento passaram dos resultados das partidas iniciais, realizadas na data de ontem, cujos confrontos saíram empatados e sem abertura de placar.

 

Para os experts da Globo na partida Botafogo de São Paulo x ABC o time paulista era o favorito, por sinal, o segundo da rodada, com 55,6% de probabilidades de vencer o embate. O empate ficou com 30,5 e a possibilidade de um triunfo do ABC com 13,9. Prevaleceu o empate, que era a segunda opção do jornalistas que, com certeza estão surpresos, considerando-se que o time paulista tinha uma campanha melhor e que, tendo o melhor ataque da competição, passou em branco.

 

No embate Botafogo da paraíba x Boa, cujo resultado não saiu do zero a zero, tônica dos jogos de ontem, o time paraibano era o favorito absoluto, o terceiro maior favorito no entendimento dos jornalistas do Globo Esporte, com 52,7 por cento de chances de sair vencedor. O empate ficou com 19,4 e a possiblidade de vitória do Boa, com 22,4%. Mais um erro do palpitão dos jornalistas globais, vez que o jogo terminou empatado e sem, movimentação de placar, de modo que a citada equipe vai conseguindo errar em 100% e esperamos que essa tendência continue, principalmente em termos de Fortaleza.

 

Para a partida de hoje, envolvendo ASA x Guarani, o time paulista é o favorito absolutíssimo, consoante os especialistas globais, o primeiro e único na condição de visitante, com 42,7% de chances de sair vitorioso. O empate tem 27,7% de probabilidades de vir a acontecer e a vitória do ASA fica com 25,1%.

 

O Guarani, enquanto visitante,  tem a melhor campanha do seu grupo,  ao lado do Juventude, com 15 pontos e o percentual de aproveitamento de 55,5%, considerado bom e até acima dos padrões de um campeonato que tem por características ser um dos mais disputados. Nessa condição conquistou quatro vitórias e três empates, sofrendo apenas uma derrota.

 

O ASA na posição de mandante é o quarto colocado do Grupo A, tendo somado 15 pontos, relativos a 3 vitórias e 6 empates, encontrando-se invicto nos seus domínios. O seu ataque marcou apenas 9 gols e a sua defesa sofreu 5 gols, donde se depreende que em termos ofensivos costuma assinalar apenas um gol por partida, enquanto a defesa sofreu tão somente 5 gols, apresentando um índice de 0,55 gols por partida, que pode ser reputado como excelente.

 

Para termos uma ideia o Guarani, na contingência de visitante assinalou 12 gols, ostentando um índice de 1,33 gols por partida, que está muito acima da média dos clubes que atuam fora dos seus domínios. A defesa, por sua vez, sofreu 8 gols ou 0,88 gols por partida, índice que não é dos mais exuberantes, mas que está dentro dos padrões de desempenho de defesas visitantes.

 

Sabemos que o Futebol não é uma ciência exata, contudo os números apontam um caminhos e tendências da trajetórias dos clubes, de modo que, no nosso entendimento, a razão para que os experts da Globo coloquem o Guarani com uma supremacia quase absoluta de 42,7% e muito acima do crédito dado ao ASA de 25,1% deve ser em razão da baixa produtividade do ataque do time alagoano. Não conseguimos vislumbrar outro parâmetro, tendo em vista que o ASA é um time lutador e que se encontra invicto no seu território.

 

O que já podemos afirmar, sem medo de errar e após a disputa de 50% dos jogos de ida, é que estamos diante de uma disputa muito equilibrada, em que o favoritismo, por exemplo dos dois Botafogos, foi nivelado pela espírito de luta e provavelmente pela vontade de vencer e de calcar novos degraus que, por vezes, supera a técnica.

 

Por essa razão esperamos uma partida de nível técnico muito parelho, isto porque a diferença de pontos obtida pelo time campineiro na fase de classificação, praticamente deixa de existir na fase eliminatória, que para muitos analistas é um outro campeonato, com novas regras, em que, nem sempre vence o time mais aquinhoado tecnicamente e os exemplos são pródigos, a começar pelo próprio Fortaleza que ficou pelo meio do caminho contra o Oeste, o Macaé e o Brasil de Pelotas.

 

Em face de não gostar e por também não ser do meu feitio ficar em cima do muro e a despeito de não ter a capacidade, em termos de conjetura e previsão,  dos jornalistas globais,  acredito que as possibilidades de vitória do ASA são reais, isto porque o time alagoano é muito forte no seu território e o seu histórico em casa me dá essa segurança e o Guarani, quando saiu do seu terreiro contabilizou duas derrotas. Em segundo lugar cravarei, sem medo de errar, o empate, considerando que o Guarani teve a melhor campanha, como visitante.

 

Por hoje c’est fini.    

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.