Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

CHEIRO DE MUTRETA NA COPA DO NORDESTE?

 

 

Juventude e Fortaleza fizeram um primeiro tempo de muita marcação, em que o time gaúcho teve mais posse de bola e foi mais incisivo. Até os quinze minutos o Juventude, de mais domínio do jogo, tanto é que levou muito perigo ao gol do Fortaleza e conseguiu, inclusive fazer um gol, anulado em razão da bola ter batido na trave e em seguida no braço do atacante, foi um time mais perigoso, período em que a bola rondou com muita insistência o gol defendido pelo Berna.

 

O Fortaleza, por sua vez, também fez um gol anulado incorretamente, vez que o Daniel Sobralense tinha plena condição de jogo, entretanto o auxiliar, de forma apressada levantou o bastão anulando o lance de forma equivocada tendo em vista que o Anselmo, que se encontrava impedido não participou do lance.

 

O Fortaleza ainda levou perigo em cobranças de escanteios e num chute de fora da área do Sobralense, que o goleiro mandou para escanteio. Teve mais uma chance com o Anselmo, que chutou em cima da defesa. Na verdade não foi um jogo eletrizante, tendo em vista que nenhum dos dois goleiros foi chamados a fazer grandes defesas, por outro lado, o destaque maior ficou por conta do meio de campo do Juventude, enquanto o Fortaleza jogou coletivamente e ninguém se sobressaiu.

 

 

Achei que o Rodrigo Andrade ficou devendo uma boa atuação, haja vista que, mesmo tendo feito o trabalho de composição,  participou muito pouco do jogo e praticamente não criou nenhuma jogada ofensiva. Em suma, pelo equilíbrio o resultado do primeiro tempo, excetuando-se o lance em que o Fortaleza foi claramente prejudicado, foi justo.

 

O segundo tempo foi mais movimentado e o Fortaleza, que estava perdendo o meio de campo,  fez sair o Rodrigo Andrade e o Daniel Sobralense, substituindo-os pelo Leandro Lima e pelo Pio, que deram mais movimentação e mais capacidade de composição e de marcação, tanto é que o Fortaleza teve duas boas chances para abrir o marcador, uma através de uma cobrança de falta do Pio, pela esquerda, que obrigou o goleiro do Juventude a fazer uma grande defesa.

 

O Anselmo também recebeu uma bola na cara do gol, mas o bandeirinha, erroneamente deu impedimento, aliás foram seis erros absurdos de impedimento, seis deles contra o Tricolor. Alguns comentaristas avaliaram que a arbitragem foi boa, do contrário, defendo a premissa de que teve altos e baixos, principalmente com relação aos auxiliares, que via de regra, levantavam a bandeira antes do lance se definir.

 

Gostei do resultado, pois esse negócio de dizer que empate fora de casa, sem gols é ruim, não me convence, posto que, pois pior seria a derrota. Qualquer empate fora de casa terá sido péssimo se o Fortaleza não fizer o dever de casa, conforme aconteceu em anos anteriores.  Esse ano, no entanto,  a coisa vai mudar e com o apoio da torcida e o empenho do time o Tricolor estará na Série B e para isso deu um passo importante na noite de hoje. Agora é apoiar e confiar, pois a força da nossa torcida fará a diferença.

 

Tivemos o quinto confronto do Fortaleza com o Juventude fora de casa, nos quais o Tricolor perdeu um por 1 x 0 e empatou quatro: Dois pelo placar de 2 x 2, um pelo placar de 1 x 1 e este pelo escore de 0 x 0. Agora são dois os empates sem gols na história dos embates ente os dois clubes. Dentro de casa o Fortaleza tem sido soberano.

 

Transcrevemos notícia da Agência Futebol Anterior:  Após uma semana de análise, a Procuradoria do STJD resolveu arquivar a notícia de infração do Tombense, que acusava uma suposta escalação irregular do lateral Carlinhos, do Juventude. Após analisar os esclarecimentos do clube gaúcho e da Diretoria de Registros e Transferências da CBF, a Procuradoria comunicou o arquivamento.

 

No site oficial do STJD, o ato foi justificado pelo fato de não terem sido encontrados “elementos suficientes para comprovação de uma possível infração disciplinar”. Assim, não haverá nenhuma punição ao Juventude, que segue disputando o acesso à Série B com o Fortaleza, nas quartas de final da Série C. Em razão dessa notícia concluímos que o sonho do Tombense morreu no nascedouro.

 

Estamos sentindo o olor apodrecido de ardil na Copa do Nordeste. Será que o nosso rival vai entrar na Copa do Nordeste pelos porões da falta de respeito às leis e a ética, ou pelo buraco da latrina?  O que dirá o STJD dessa negociata? Clubes como Uniclinic, Guarani de Juazeiro e Guarani de Sobral, de acordo o Regulamento Geral das Competições da CBF,  deveriam ser punidos, por afrontarem as normas do Desporto. Não nos preocupamos com o nosso rival, mas nesse caso não podemos compactuar com essa tramoia que está prestes a se perpetrar. Uma vergonha para a Copa do Nordeste e para o futebol brasileiro, aliás mais uma.

 

Por hoje c’est fini.

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.