Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

OS SÓCIOS TRICOLORES MERECEM UMA CAMPANHA DE ALTO NÍVEL

18 Nov 2016

 As eleições do Fortaleza não podem ser uma queda de braço

 

Faltam quatorze dias para as eleições e muita água vai correr por baixo da ponte. Até porque a disputa, especialmente em programas de rádios, alguns dos quais a serviço de determinadas chapas, começa a se acirrar e tenderá a esquentar ainda mais à medida em que o pleito for se aproximando.

 

Para nossa tristeza, infelizmente, nada será diferente de uma eleição comum, de uma eleição partidária, pois as promessa que não podem ser cumpridas já começam a aparecer e as acusações, na maioria infundadas,  já começam a surgir o que, indiscutivelmente, no nosso parco entendimento,  não é bom nem para o pleito e nem para o Fortaleza.

 

Esperamos que as disputas não fiquem ainda mais arraigadas, pois, afinal de contas teremos um confronto entre tricolores, que querem, pelo que apregoam alto e de bom som,  o bem do Fortaleza, pelo menos é o que se presume,  e que devem manter a retidão e a decência.

 

O que se espera, e acredito até que aconteçam debates em emissoras de televisão e de rádio, é que o bom nível seja mantido e que tenhamos uma eleição ética e fundada no respeito mútuo que deve ser a tônica de todos os concorrentes, isto porque se todos enveredarem pelos caminhos da intolerância e do desrespeito haverá, certamente, uma grande perdedor, o Fortaleza.

 

Nós enquanto apresentadores de programa tricolor, escrevinhador dessas mal traçadas linhas e de componente da Chapa Alcides Santos, para o Conselho de Ética, respeitaremos e daremos a atenção a todos os candidatos, até porque não fechamos questão a favor de nenhuma chapa, sendo todos livres para votarem de acordo com a consciência e com o entendimento do que for melhor para o Fortaleza em termos de propostas.

 

Os membros da Chapa Alcides Santos, Advíncula Nobre, Araújo Coração de Leão, Otaviano Ribeiro, Renato Bonfim e Dr. Lino Holanda, em eleitos sendo, buscarão em primeiro lugar unir todos os tricolores, por entenderem que não estamos numa política partidária, em que a retidão e a decência são postas de lado, mas na disputa em um clube, cujos objetivos, cogita-se que sejam os mesmos e que passam pela luta pelo seu engrandecimento.

 

Munidos desse pensamento procuraremos orientar os demais órgãos, especialmente a Diretoria Executiva,  para que primem pela transparência e pela ética na condução dos destinos do Fortaleza, mediante a valorização cada vez maior do quadro de sócios e da torcida tricolor.

 

Isto posto, confesso não entender por que razões as pessoas começam a se digladiar e a se ofenderem mutuamente, quando na realidade o confronto deveria ser tão somente no campo das ideias. O Fortaleza pela sua grandeza merece uma campanha de nível mais elevado, até em respeito a esse clube quase centenário e ao seu torcedor.

 

Esperamos que todos os candidatos, particularmente os que já começam a usar desse expediente, que revejam as suas posições para que no final do pleito pessoas eventualmente atingidas não fiquem feridas e magoadas ao ponto de se afastarem do clube O Fortaleza precisa de união para continuar forte e para resgatar a posição que lhe é de direito no cenário esportivo nacional.

 

Quero afirmar ainda que soou peremptoriamente a favor do processo eleitoral tricolor, em que os sócios decidem o futuro do clube, por ser um processo democrático que predomina no mundo inteiro. Voltar o presidente do Fortaleza a ser eleito por uma meia dúzia é um retrocesso sem precedentes e uma volta ao autoritarismo e ao voto a bico de pena.

 

Quero destacar, por oportuno, dois poderes do Fortaleza, com os seus respectivos candidatos, que não são muito considerados pela imprensa, que não entendem a importância dos mesmos, que nada têm a dever ao Conselho Deliberativo ou à Diretoria Executiva, pois todos, dentro do seu universo de atribuições têm a sua relevância dentro do quadro de poderes do Tricolor de Aço. Refiro ao Conselho Fiscal, que fiscaliza as relações financeira do clube e o Conselho de ética, que é um guardião da decência e da moral. Ambos são importantes, mas não fazem parte das luzes da ribalta.

 

Para o Conselho Fiscal:

Chapa Fortaleza Unido e Transparente nº 18:

Presidente: Francisco de Assis Tomaz.

Vice-Presidente: José Almiro Vasques.

Secretário: George Marlon de Oliveira Lima Vidal.

Suplentes: Antônio Andrade de Sousa, Júlio César Hipólito Moreira Neto e Ivan Loiola Filho.

Para o Conselho de Ética                       

Chapa Alcides Santos nº 07:

Raimundo Advíncula Nobre Lima (presidente), Francisco das Chagas Araújo, Otaviano Ribeiro Barbosa, Renato Bonfim Medeiros e Lino Antônio Cavalcante Holanda.

 

Por hoje c’est fini.

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.