Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

FORTALEZA CONTRATA JOGADORES COM BONS CURRÍCULOS

 Everton - De volta ao Tricolor

 

Costumo dizer que nenhum jogador vem com selo de garantia, de modo que um profissional que se destaca numa equipe pode ser um fiasco em outra, ou por outra pode apresentar um mau desempenho num determinado clube e de repente pontilhar em outro. Tivemos recentemente, para falarmos de Fortaleza, o caso do Lucio Maranhão, que havia se destacado no ASA, não disse a que veio no Fortaleza e, ao que parece, está se destacando em Israel. Peripécias do futebol.

 

O Fortaleza, nesta semana, contratou quatro jogadores, atendendo ao pedido do Marquinhos, que declarou que não quer contratações puras e simples e sim reforços, todos eles bem sucedidos e vitoriosos no futebol brasileiro, de forma  que a nossa expectativa é de que confirmem a boa qualidade técnica no Tricolor de Aço.

 

No momento todos estão sendo bem aceitos pela torcida e pela imprensa, evidentemente que com algumas ressalvas, especialmente dos que ainda não desarmaram os espíritos, não apenas em função da campanha tricolor, que não vem sendo boa, especialmente pela desclassificação nas duas Copas, do Brasil e do Nordeste, mas também, e isso é inegável, em função de uma campanha eleitoral que, para muitos continua viva.

 

Em indo bem os  jogadores,  como esperamos, pois sempre seremos otimistas, vão dizer que o staff tricolor fez apenas a obrigação, não existindo nenhum mérito em função dos acertos. Na eventualidade de irem mal, as críticas serão contundentes e com certeza a imprensa marrom, a imprensa bipolar e parte da torcida vai chamar a diretoria de incompetente, amadora e antiprofissional.

 

Todos aqueles que querem o bem do Fortaleza, que torcem pelos acertos e para que o clube corrija os rumos, evidentemente que querem que tudo corra bem, que os novos atletas correspondam às expectativas e que venham realmente para resolver as carências da equipe , vez que não têm por hábito regozijarem-se com a derrota e com os insucessos. Isso fica para o inimigo.

 

Claro que buscamos analisar com parcimônia e com a maior isenção possível e sob esse diapasão temos que mergulhar na realidade para afirmar que o time necessita de um zagueiro qualificado, que venha para liderar o sistema defensivo; de um meia de ligação diferenciado e de mais um atacante pelas extremas, vez que o próprio Marquinhos declarou que não podemos jogar a responsabilidade nos ombros do Vinícius Baiano ou do Gabriel Pereira.

 

Tudo isso esbarra na falta de dinheiro e de onde tirar o vil metal, vil porque corrompe? No nosso caso seria do Projeto de Sócios Torcedor e das rendas de bilheteria. Nesses aspectos não podemos estar otimistas, pois, em razão de uma campanha que não é das mais brilhantes e de campanhas externas, lideradas por pessoas que se dizem tricolores e que desaconselham o torcedor a não social e a não comparecer aos estádios, o clube fica impossibilitado de contratar bons valores, razão porque apostou num elenco barato, que não tem dado a devida resposta dentro de campo.

 

Em meio a muitas dificuldades vem tentando recuperar o tempo perdido. Trouxe primeiro o Zé do Gol, que dispensa comentários e cuja contratação teve o apoio irrestrito do torcedor. Repatriou o Everton, um jogador campeoníssimo e que a imprensa marrom, aquela mesma que não gosta do Marquinhos, porque não gosta do Fortaleza, chama de pé frio. E agora essas três contratações, de jogadores bem sucedidos por onde passaram.

 

Comecemos pelo Renatinho, de 25 anos, um atleta versátil que, em que pese a pouca idade, em termos de Nordeste é um jogador dos mais laureados e que ostenta em seu currículo os seguintes títulos: Campeonato Pernambucano de 2011, 2012, 2013, 2015 e 2016, Campeonato Brasileiro – Série - C de 2013 e Copa do Nordeste de 2016, tudo pelo Santa Cruz. Podemos afirmar que se trata de um jogador pé quente.

 

Ronny, de 30 anos,  mais experiente que o Renatinho, que similarmente a ele faz a meia e a lateral esquerda e que é um profissional dos mais vitoriosos. As suas conquistas não nos contradizem:  Campeonato Mundial Sub-17 de 2003 (Seleção Brasileira), Campeonato Brasileiro - Série A de 2005 (Corinthians-SP), Taça de Portugal de 2006-2007 e 2007-2008, Supertaça de Portugal de 2007 e 2008 (Sporting Lisboa-POR), e Campeonato Alemão - Segunda Divisão de 2010-2011 e 2012-2013 (Hertha Berlim-ALE). Precisa dizer algo mais?

 

Rodrigo Mancha, volante de 30 anos de muita força física, mas que sabe tratar bem a bola, também é outro vencedor, o que é bom para o astral do grupo. Vejamos as suas conquistas:  Campeonato Brasileiro - Série B de 2007, Campeonato Paranaense de 2008 (Coritiba-PR), Campeonato Paulista de 2010 (Santos-SP), Copa do Nordeste de 2014 e Campeonato Pernambucano de 2014 (Sport-PE).

 

Com o intuito de refutar o jargão, sem a menor graça,  do Trem Bala, que chama o Everton de pé frio,  evidenciemos as suas conquistas:  Campeonato Paulista do Interior de 2008 (Grêmio Barueri-SP), Campeonato Mineiro de 2011, Campeonato Brasileiro - Série A de 2013 (Cruzeiro-MG), Campeonato Brasileiro - Série B de 2014 (Joinville), Campeonato Cearense de 2015 e 2016, e Taça dos Campeões Cearenses de 2016 (Fortaleza). Esse é o pé frio? Quando escuto essas baboseiras tenho frouxos de risos!

 

Por hoje c’est fini.

 

 

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.