Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

O SOL COMEÇA A CLAREAR PARA O FORTALEZA

 

 

IMPULSIONADOS  PELA FORÇA DESSA TORCIDA CHEGAREMOS LONGE

 

As coisas estão começando a entrar nos trilhos. O Fortaleza já está conseguindo melhores resultados que, indiscutivelmente, estão convencendo à torcida que tem comparecido, embora ainda em pequena escala. Temos oficialmente um novo diretor de futebol, o Marcelo Paz, que depois de um interstício de cerca de cinco meses volta a ocupar o cargo e como dizia José Américo, político paraibano, Ministro da Viação e Obras Públicas do Governo Getúlio Vargas e grande escritor paraibano, autor de A Bagaceira, “ninguém se perde nos caminhos da volta, porque voltar é uma forma de renascer”.

 

Esse renascimento do Fortaleza, que já começa a nos deixar mais confiantes está tomando forma através de um trabalho cuja continuidade será dada pelo Marcelo Paz, que fará os acertos necessários, comuns em todos os processos administrativos e que  foi iniciado pelo Dr. Ênio Mourão, que montou um elenco em que, se alguns jogadores não corresponderam às expectativas, mesmo tendo bons currículos, outros já começam a pontificar e a se tornarem ídolos da torcida, o que é muito bom para uma equipe que começou do marco zero.

 

O nome do Marcelo Paz foi apresentando  ontem em reunião do Conselheiros Deliberativo e aprovado por unanimidade, numa prova cabal de que goza da confiança de todos, num universos de pessoas, que têm em comum o amor ao Fortaleza, mas politicamente têm as suas preferências, fator muito saudável num processo democrático.

 

Essa diversidade de pensamento é muito boa, porque dela sai o consenso, essencial para o equilíbrio administrativo do clube. Costumo dizer que da divergência sai a convergência, que é uma depuração dos pontos de vista contrários e primeiro passo para que surja a união de propósitos..

 

Nesse ensejo desejamos ao Marcelo Paz toda a sorte do mundo, isso porque a sua missão é árdua, tendo em vista que o clube está no oitavo ano na Série C e é bom que se diga que o nosso Diretor de Futebol não tem responsabilidades sobre as derrocadas e os insucessos do passado, embora tenha recebido como herança esse fardo pesado e essa obrigação de mudar radicalmente os rumos do clube.

 

E isso só será possível ou se materializará se todos nós mantivemo-nos unidos, especialmente diretoria e torcida e esta tem que ter em mente ninguém deixa os seus afazeres e a sua família, para se dedicar ao Fortaleza e ainda por cima ser difamado, se não tivesse um grande amor por esse clube, razão por que, todos os presidentes que passaram pelo clube nesses oito anos e não conseguiram a ascensão merecem o nosso respeito, porque nenhum deixou de tentar, mas infelizmente a sorte foi a madrasta de todos.

 

Aproveitamos para agradecer ao Ênio Mourão, pelo trabalho à frente da diretoria de Futebol, pois se reclamamos que o Tricolor foi desclassificado de duas competições, não faz muito tempo que o mesmo  não conseguia participar de nenhuma, a exemplo da Copa do Nordeste e da própria Copa do Brasil, em que, em razão de uma má fase, entrou no pau do canto. Ser desclassificado é ruim, mas muito pior é nem sequer entrar nas competições.

 

Nesse momento o apoio do torcedor é essencial e fundamental, o qual deve se associar, para que o Fortaleza possa melhor se planejar e formatar um elenco mais qualificado, além de comparecer ao estádio nessa reta final de campeonato,  que vale um tricampeonato e o próprio calendário de 2018. O Fortaleza só será forte se contar com a força da sua torcida, que está de parabéns, pois atém ontem, durante o mês,  já contava com a adesão de  tínhamos a adesão de 967 novos sócios. No dia de ontem houve 92 adesões passando o montante de sócios adimplentes para 9.661.

 

Esses números demonstram cabalmente que o torcedor do Fortaleza, passados esses momentos de turbulências, passa acreditar e a confiar no time e na gestão do clube, além de serem uma prova incomensurável e incontestável do grande amor dedicado ao clube, por parte da torcida tricolor. Que bom que a torcida já começa a jogar junto e juntos somos imbatíveis.

 

O Fortaleza no Campeonato Cearense de 2016 sagrou-se campeão com 40 pontos conquistados em 54 pontos  possíveis, apresentando um percentual de desempenho de 74%. No ano em curso, no Cearense, somando-se as duas fases, classificatória e quartas de final,  somou 23 pontos em 33 possíveis,    apresentando um percentual de desempenho de 69%.

 

Embora não havendo como comparar os dois campeonatos, em virtude dos regulamentos serem distintos, esses percentuais indicam que o Fortaleza está evoluindo e muito próximo de alcançar o desempenho de um campeão, no nosso entendimento em torno de 70%. O time vem evoluindo e a tendência é que venha a melhorar, gradual e naturalmente, o seu desempenho, até porque não existe outro caminho que não seja este.

 

Por hoje c’est fini.

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.