Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS CLUBES APÓS À NONA RODADA DA SÉRIE C

12 Jul 2017

 

Conforme acontece habitualmente, após  cada rodada,  e,  especialmente,  após à nona, que deu números finais ao primeiro turno da Série C, procedemos um levantamento da competição visando estabelecer os seus destaques, positivos ou negativos, que traduzem à participação desses clubes, utilizando-nos sempre,  de parâmetros que medem o desempenho desses clubes na competição.

 

Realizado o estudo do aproveitamento de cada clube verificamos que o CSA se configura como o time com melhor desempenho no primeiro turno, em que somou 18 pontos, aliás, a melhor performance entre os dois grupos, constituindo-se na equipe que apresentou mais regularidade nesta etapa, posto que, apenas na 6ª rodada perdeu a primeira colocação para o Fortaleza, nas demais se manteve sempre na primeira posição no pódio. Conquistou no primeiro turno 5 vitórias, 3 empates e sofreu apenas 1 derrota.

 

Apresentando o pior desempenho temos Moto Club, Salgueiro e Mogi Mirim, com apenas 8 pontos conquistados, ou menos de um ponto por rodada. Esses três clubes têm campanhas semelhantes, os quais conquistaram apenas 2 vitórias, cederam 2 empates e sofreram 5 derrotas, apresentando um percentual de desempenho de tão somente 29,6%, não estando na zona de rebaixamento por acaso.

 

O CSA, com 5 triunfos, é a equipe com mais vitórias, enquanto o Cuiabá é o clube com menos vitórias, apenas 1. O Cuiabá ostenta outro destaque, posto que é o time que mais empatou, apresentando 7 em 9 partidas, que correspondem a um percentual de 77,77%, em relação às partidas disputadas. Proporcionalmente se constituiu num dos clubes que mais empataram no Brasileirão, considerando-se todas as Séries, em toda a existência do certame. Recorde difícil de ser batido. O Macaé se apresenta com o time que menos empatou, apenas 1 empate.

 

No quesito mais derrotas temos as equipes do Moto e do Salgueiro,  no Grupo A,  e do Macaé e do  Mogi Mirim,  no Grupo B, todos com 5 resultados negativos, exatamente o inverso do CSA, o time com mais vitórias. Desses quatro clubes, apenas um, o Macaé, não terminou na zona de rebaixamento, substituído pelo Bragantino, que tem os seus mesmos 10 pontos, mais tem 1 vitória a menos.

 

Os times que sofreram menos derrotas, apenas 1, evidentemente se situam entre os melhores colocados, a exceção do Cuiabá. O CSA e o Botafogo estão respectivamente na liderança dos seus grupos, enquanto o Cuiabá luta para se afastar da zona de degola, não em função dessa derrota, mas como consequência de apresentar um número excessivo de empates.

 

Dizem os experts que é melhor o clube conquistar apenas 1 vitória e sofrer 2 derrotas em 3 jogos, do que conquistar 3 empates, que não servem como critério de desempate, o que a absolutamente é verdade. No Grupo B, por exemplo, o Bragantino, que tem uma campanha melhor do que a do Macaé, em termos de derrota, substitui o time carioca na zona de rebaixamento em razão da quantidade excessiva de empates.

 

Em 2010, por esse mesmo motivo o Fortaleza perdeu a classificação para a segunda fase para o Águia, vez que somava os mesmos 8o pontos, mas havia conquistado 1 vitória a menos, 2 contra 3; e um empate a mais, 3 contra 2. Ressalte-se que o Fortaleza, no citado ano,   despediu-se da competição de forma invicta.

 

Enfim o Fortaleza, que ao contrário das rodadas anteriores, não vem se destacando em nada, se apresenta como o clube com o ataque mais positivo, com 12 gols, ou 1,33 gols por partida, um bom índice, mas que ainda não é o ideal. Lembramos que o Tricolor, nas três últimas partidas, em que não conseguiu uma única vitória, fez apenas 1 gol e essa má fase coincide com a contusão do seu principal artilheiro, o Lúcio Flávio.

 

O ASA e o Salgueiro têm os ataques menos positivos, vez que assinalaram apenas 7 gols, ou 0,77 gols por partida, o que significa dizer que as suas vitórias são conquistadas na conta do chá. Nas nove rodadas, em apenas uma,  os dois clubes conseguiram marcar dois gols, nas oito restantes, ou não marcaram, ou assinalaram somente um tento, numa verdadeira economia de gols.

 

Analisando-se as defesas temos que o Macaé apresenta o sistema defensivo mais vulnerável. Foram 14 gols sofridos. Em que pese ter a defesa mais vazada o Macaé sofreu,  no máximo, três gols por rodada, cabendo o handicap negativo de ter sofrido mais gols numa rodada ao Moto, que foi derrotado por 4 x 0 pelo Confiança.

 

Em contrapartida o CSA e o Botafogo de São Paulo se apresentam como os clubes que têm as defesas menos vazadas, as quais sofreram 5 gols. Comparando-se a produtividade dos ataques com o desempenho das defesas temos que CSA e Botafogo de São Paulo apresentam um saldo positivo de 6 gols cada,  enquanto o negativo fica com o Macaé, que ostenta um saldo negativo também de 6 gols e se não foi goleado, contudo, em três rodadas tomou 3 gols e em duas outras,  2 gols.

 

Por hoje c’est fini.

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.