Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

O ZAGO PRECISA DAR UMA SACUDIDELA NO TIME

21 Aug 2017

 

O Fortaleza perdeu por 2 x 0 para o Sampaio Corrêa, numa partida em que deixou muito a desejar em termos defensivos, visto que, a impressão que se tinha era a de que penetrar na defesa tricolor, tanto pela esquerda, como pela direita com o  Pimentinha, como pelo miolo da zaga se constituía numa tarefa das mais fáceis. Levou dois gols e poderia ter sofrido muito mais, pois durante toda a partida o time maranhense esteve mais próximo do terceiro gol do que o Fortaleza do tento de honra.

 

Os dois gols, rem razão dessa facilidade, pois o Tricolor optou por marcar por zona, aliás, o que vem fazendo sempre, ao contrário dos demais times que marcam sobre pressão, na chamada marcação homem a homem, surgiram com muita facilidade e com um ingrediente a mais, pois em ambos a defesa tricolor falhou, a começar pelo Boeck.

 

No primeiro gol, num cruzamento despretensioso da esquerda, a bola cruzou toda a extensão da pequena área, e nesse caso, como manda o figurino, era do Boeck e, quando todos esperavam que saísse pela linha de fundo foi cabeceada para dentro do gol por um dos avantes do Sampaio e a nosso ver, ultrapassou a linha, mas o árbitro não viu e o Boeck, contrariando a cartilha, rebateu para o meio e a defesa completamente perdida não chegou, aproveitando-se o  Fernando Sobral para, completamente livre,  tocar para o fundo das redes.

 

O segundo gol foi quase uma cópia do primeiro,  pois,  o cruzamento também veio da esquerda, onde havia uma grande avenida, tanto pela má atuação do Felipe, quanto pela falta de cobertura do Wellington Reis, quando o Esquerdinha cruzou e o Boeck mais uma vez rebateu para ao meio e novamente a defesa mal posicionada não estava na linha da bola, de modo que a mesma sobrou livre para o Hiltinho que, sem muitos esforços escorou-a para o gol.

 

Ressalte-se que o Fortaleza, durante toda a partida, por falta de sintonia entre os seus compartimentos, mormente do meio-campo e ataque, criou apenas uma chance real de gol, com o Everton, que entrou livre, o goleiro salvou parcialmente, mas o Hiago também perdeu, noutra grande intervenção do arqueiro. Afora isso o Boeck fez,  pelo menos,  duas defesas importantes e o Bruno Melo Salvou de cabeça uma bola em cima da linha, evitando assim que o Sampaio construísse um placar mais dilatado.

 

Não há que comentar acerca da atuação do Fortaleza,   que parecia um time com um componente a menos, pois faltou raça e entrosamento, e em toda a partida parecia desmotivado. Posso afirmar que o Felipe e o Everton, estiveram abaixo da crítica, assim como o Pablo, que não tinha função do meio de campo e que,  deslocado para a lateral continuou apresentando uma péssima atuação.

 

Não vou falar do Paulo Bonamigo, pois já deixou o Fortaleza, mas com certeza, conforme venho afirmando nos meus comentários, há que ser dada uma sacudidela no time, que ainda depende apenas de si para se classificar, mas que precisa de ajustes, técnicos, táticos e motivacionais. Se continuar nessa apatia e sem norte não chegará a lugar nenhum.

 

Esperamos que o Zago, que indiscutivelmente é um treinador calejado, possa acertar os compartimentos tricolores e extrair mais um pouco de algumas peças do time que, há muito tempo  vêm rendendo pouco. Para não falar em todos, citaria três, Felipe, Pablo e Everton, candidatos a ficar no banco. Esperamos que o Anderson Uchoa retorne bem para, pelo menos,  termos um pouco mais de qualidade nas coberturas do sistema defensivo.

 

Não acredito também que o Vinícius Pacheco tenha desaprendido a jogar, de modo que, se temos um meio de campo inoperante, qualquer treinador que se preze tem a obrigação de buscar novas alternativas. Continuo afirmando que espero a montagem de um time com começo meio e fim, ou seja, com dois volantes, dois meias e dois atacantes e todos em sintonia e sincronia.  

 

Por uma questão de justiça é bom que se diga que os resultados da rodada ajudaram em muito o Fortaleza, que não soube tirar proveito dos tropeços dos adversários. O CSA, que vinha sendo o rei da cocada preta, perdeu para o Confiança, o Salgueiro foi derrotado pelo Cuiabá. Nem CSA e nem o Salgueiro, conseguiram avançar na tabela, beneficiando o Tricolor.

 

Em decorrência desse torpeço, de certa forma inesperado, do CSA, frente ao Confiança e,  em razão do seu confronto direto com o Tricolor, e fora de casa, o Fortaleza, em voltando a vencer como esperamos, pode ter chances de se classificar ainda em segundo. Tivesse o CSA vencido o seu compromisso o Tricolor teria que se conformar em disputar tão somente a terceira posição com Remo, que venceu o Botafogo e com o Salgueiro, que ao ser derrotado pelo Cuiabá, perdeu a chance de ultrapassá-lo.

 

Por hoje c’est fini

 

Advíncula Nobre

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.