Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

PERDÃO FOI FEITO PRA GENTE PEDIR

 

O Clodoaldo pediu perdão ao Fortaleza e à torcida, em razão da sua saída pelas portas dos fundos do Pici,   numa espécie de traição que levou doze anos para ser digerida,  e a diretoria, em nota oficial,  aceitou prontamente o seu pedido, selando as pazes com o maior jogador tricolor das duas últimas décadas.

 

O Clodoaldo foi para o nossos rival, seduzido pelas luzes da ribalta, para não falarmos em aliciamento, cuja transferência fora dos padrões éticos e moriais, contou com a conivência do Mário Degésio, então presidente da Federação,  que prejudicou muito ao Tricolor, ao ponto de se declarar “inimigo público número um do Fortaleza”.

 

Águas passadas não  movem moinhos, mas não podemos deixar de lembrar que, infelizmente o maior prejudicado foi o próprio jogador, em decorrência dessa transferência abrupta, feita na calada da noite e num dia primeiro de janeiro,  um feriado de fim de ano, em que não mais havia tempo para o Fortaleza se defender.

 

O Clodoaldo foi prejudicado porque no nosso rival encerrou a sua carreira de forma melancólica, a qual,    tenho certeza, no Fortaleza ainda perduraria por alguns anos, porque no Tricolor de Aço ele era tradado como um filho e no nosso rival como um enteado-problema. O Fortaleza cuidava do corpo e da alma do Clodoaldo, enquanto o nosso  rival, nem de longe,  se importava com o ser humano e desse modo a sua brilhante carreira foi abreviada.

 

Isto posto aproveitamos para divulgar a nota oficial do clube, veiculada na TV Leão, aceitando o filho pródigo de volta para a casa e já dizia José Américo que nos caminhos da volta ninguém se perde”. Vamos ao texto:

 

"De que é feito um ídolo? De dribles, gols, vitórias e títulos. Um ídolo é feito de tudo isso, mas também de carne e osso. Ele acerta muitas vezes, mas também erra algumas vezes. Se é assim, o que diferencia o ídolo de um jogador comum? Difícil dizer. O certo é que o ídolo nasce com um certo espírito de grandeza. Dentro e fora de campo. Nos momentos bons e ruins. Grandeza para realizar conquistas históricas. Grandeza também para pedir perdão.

 

De que é feito um clube? De títulos, troféus, craques e glórias. Um clube é feito de tudo isso, mas também dos valores que promove. E o Fortaleza é combativo, aguerrido, vibrante e forte. Nunca desiste. Nunca desiste dentro de campo. E também nunca desiste dos seus ídolos. O maior jogador do futebol cearense dos últimos 20 anos voltou para casa. Alguns podem pensar que este não seria o melhor momento. Mas a verdade é que só existe um momento para perdoar: e o momento certo é agora".

 

Confesso que eu mesmo fiquei chateado com a sua saída repentina do Fortaleza, até porque o nosso clube foi chacoteado pela imprensa marrom, mas ponderando e pensando bem conclui que tenho que seguir os ensinamentos de Cristo que nos dizia que “devemos perdoar setenta vezes sete”. O refrão de uma bela música nos  diz igualmente “que perdão foi feito para a gente pedir” e também para dar, digo eu. Vamos ao texto:

 

 

Recebi do meu primo Célio Girão um levantamento estatístico que dar conta de que a defesa do Fortaleza, tendo o Rodrigo Mancha na zaga central, em quatorze jogos,  sofreu apenas dez gols, ou seja, 0,71 gols por jogo, quase dentro do padrão ideal, que gira em torno de 0,6 gols por partida.

 

Essa mesma zaga, consoante o citado levantamento nos mostra cabalmente que o time, tendo o Edimar na zaga, em três jogos sofreu cinco gols, ou 1,66 tentos por partida, que representa uma média de time rebaixado e, em todos esses gols, de uma forma ou de outra o Edimar falhou feio, ou por omissão ou por falha na cobertura, como no tento sofrido contra o CSA, em que furou feio.

 

Alguém pode dizer que estou mostrando esses dados porque não gosto do Edimar. Na verdade não temos um zagueiro como o Lima, que foi jogado às feras como os outros no ano passado,  porque o time não subiu, de modo que, comparando  os dois,  indiscutivelmente,  o Mancha me passa mais segurança. Não sei se apenas eu penso desse modo, entretanto, me baseio para defender essa tese,  não apenas na estatística apresentada, mas e sobretudo, na insegurança passada pelo jogador.

 

O Ligger tem sido muito criticado pela torcida e imprensa,  contudo, avalio que seja o nosso melhor zagueiro, pela raça e pela entrega dentro de campo. Não há como fazer comparação entre o Ligger e o Adalberto, semelhante a que fizemos entre o Mancha e o Edimar, pelo falto de que o Adalberto não vem jogando,  não tendo chance para mostrar o seu futebol, impossibilitando-nos de avalia-lo com mais isenção. Pode ser que entre e ganhe a posição, do mesmo modo que pode não ter mais a desenvoltura técnica de antanho. Jogador não se avalia pelo que foi, mas pelo que é.

 

A imprensa maranhense, ao que consta, está taxando o Fortaleza como uma equipe ruim, que pode ser perfeitamente batida pelo Moto. O interessante é que esse segmento da imprensa  que se preocupa em minimizar o Fortaleza, esquece,  por outro lado,  que o Tricolor, mesmo em meio às dificuldades,  ainda se encontra em terceiro lugar, enquanto o Moto briga para não cair. Essa é a diferença fundamental entre os dois times.

 

Pensamento – “O amor é a flor mais bonita que o nosso coração produz”.

 

Por hoje c’est fini.

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.