Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

OS REAIS OBJETIVOS DO NOSSO RIVAL

10 Oct 2017

 

O Fortaleza historicamente tem agido de forma inocente e desprovida de maldade, não sendo essa,  porém,  a mesma postura do rival que, indiscutivelmente, ingressou na Fares Lopes, competição pela qual nunca se interessou, tanto é que as suas campanhas são inferiores às do Fortaleza, que sempre utilizou o Sub-20, com o fito de atrapalhar e atropelar o Fortaleza.

 

Mostrando o desrespeito para com o Tricolor, que nada tem a ver com o seu projeto de ascender à Série A à Série A, lançou atualmente um outdoor ofensivo ao Fortaleza, que representa uma atitude  grosseiras, de “mal caratismo”, como diria o Odorico Paraguaçu. E de falta de hombridade. Pura baixaria.

 

No outdoor cunhou uma frase ofensiva ao Fortaleza: Série B: Sonho para alguns, pesadelo para outros. Na parte do pesadelo concordamos plenamente, isto porque o time de Porangabuçu, na sua estada anterior na competição, ficou 17 anos confinado na mesma,  e agora está desesperado, por não saber quanto tempo ficará. Devolvendo o bullying do qual sempre fomos vítimas, podemos dizer de camarote: “Vão ser dez anos na  Série B”, com a qual têm muita afinidade.

 

No meu parco entendimento, se o Ceará não subir neste ano, em que praticamente não encontra concorrência à altura, não subirá nunca mais, isto porque no ano que vem o prenúncio é de uma competição ainda mais disputada e acirrada, em que, provavelmente,  teremos um grande clube e outras equipes também renomadas e de maior poder aquisitivo que o nosso rival.

 

Não subindo neste ano podemos retribuir a “violência psicológica” da qual fomos vítimas por oito anos:      VÃO MORRER NA SÉRIE B”! Fosse-me permitido lhes dar um conselho eu diria: Tratem de subir nesse ano, pois, se assim não for, não subirão  nunca mais. Quanto a nós, a exemplo do sentimento alimentado por milhões de pessoas no universo, em termos de projetos pessoais, acalentamos o nosso sonho, que será a nossa meta, de ascendermos à Série A em 2018, objetivo que alcançaremos no ano do nosso centenário.

 

Voltando à Fares Lopes que, conforme afirmamos tivemos uma partida em que formos garfados pela arbitragem e diante de uma equipe cujos membros atletas foram e são titulares da Série B, a expectativa é a de que o nosso rival venha ainda com uma equipe mais forte. O ideal seria que colocassem o time principal, para que se cansasse   para o confronto com o Oeste. Não fazem isso em razão do risco de contusão.

 

Pelo que se noticia a equipe será reforçada com o Pedro Ken, titular absoluto do time alvinegro, que se juntará a outros, também do primeiro escol. Em sendo confirmado o nosso rival deve atuar com Fernando Henrique; Pio, Tiago Alves, Valdo e Rafael Carioca; João Marcos, Jackson Caucaia e Pedro Ken; Lelê e Arthur.

 

Desse modo, o Time de Porangabuçu  escalará uma equipe formada por atletas que transitam pelo time titular com muita frequência,  com duas exceções: João Marcos, em fim de carreira e Jackson Caucaia, que foi contratado como salvador da pátria, mas que não emplacou. Podemos incluir ainda nesse rol o Pio, que está me surpreendendo, pois ao que consta ainda não foi expulso. Mais dia menos dia..., pode ser amanhã.

 

É evidente que o nosso rival, aliás, a quem me refiro com mais ênfase, provavelmente pela primeira vez, além de pretender, de forma explícita,  tirar o Fortaleza da Copa do Brasil, planeja, de forma implícita,  quebrar um tabu que não foi capaz de extinguir diante de um Fortaleza atuando com o time principal e em má fase, conforme ocorreu no Cearense. Esse é o estigma que vem incomodando um time de Série B, que não consegue vencer uma equipe de Série C, sempre com elencos tidos como inferiores.

 

Quando se iniciar a partida de amanhã serão exatos 956 dias em que o Ceará, com todo o poderio econômico e técnico, não consegue bater o Fortaleza. A última vitória ocorreu no longínquo dia 28 de fevereiro de 2015, pelo Campeonato Cearense, em que o Fortaleza foi derrotado por 1 x 0. Faz tanto tempo que ninguém mais se lembra!

 

De lá para cá, nesses 956 dias, foram 6 jogos em que o Fortaleza conquistou, rememorando, sempre com times tidos como inferiores pela imprensa marrom, 3 vitórias e 3 empates e 0 derrotas. Marcou 9 gols e sofreu 6 apresentando um saldo positivo de 3 gols. Somou 12 pontos em 18 possíveis, ostentando um percentual de aproveitamento de 66,6%.

 

Alguém tem dúvidas quanto a real intenção do nosso rival? Ao que parece, a gana para quebrar o tabu é tão grande, que está sacrificando alguns jogadores que podem lhe fazer falta na reta final da Série B. Tudo bem, cada um segue o caminho e a estratégia que bem lhe aprazer.

 

O Fortaleza, com um time modesto, mais uma vez vai encarar o rival e com a obrigação de vencer. O que esperamos é que o Ceará, que escalará um  time poderoso, não venha  contar, a exemplo do que ocorreu no jogo anterior, com a ajuda do árbitro Magno Cordeiro atuando como décimo segundo jogador e do bandeirinha como décimo terceiro. Acredito que o Magno  Cordeiro não vai correr o risco de pisar em terreno minado, pois a torcida do Fortaleza não suporta mais esses erros. A sorte está lançada.

 

PENSAMENTO DO DIA - Nenhuma herança é tão rica quanto a honestidade. (William Shakespeare).

 

Por hoje c’est fini.

 

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.