Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

MUITO EQUILÍBRIO NAS SÉRIES "A" E "B"- POR ENQUANTO QUASE TUDO INDEFINIDO.

14 Nov 2017

 

Temos a impressão, e nesse caso teremos que parar para raciocinar, que a Série B do ano que vem já está definida. Quando paramos para refletir nos damos conta que não, haja vista que apenas cinco clubes já estão garantidos na próxima edição, os provenientes da Série C e o Juventude,  que  não tem mais pretensões de subir e que também não mais está ameaçado de cair

 

O time da Serra Gaúcha tem 50 e se vencesse todos os seus jogos chegaria a 59, mesma pontuação do Paraná o quarto da Série B. Ocorre que se o Paraná perdesse todos os jogos e se mantivesse com os 59 pontos atuais, seria alcançado pelo Juventude, mas o superaria em números de vitórias, 17 contra 16, número máximo a que o time gaúcho pode chegar.

 

Por outro lado o Juventude  não mais  corre o risco de cair, visto que o Luverdense, o primeiro da zona de rebaixamento da Série B,  tem 40 pontos e se vencer todos os seus compromissos só poderá chegar a 49, um a menos do que o time gaúcho, que está no limbo e esperando os seus adversários da Série B de 2018. O Fortaleza já tem assim um jogo garantido em Caxias.

 

Não sabemos quais são os outros onze clubes remanescentes da Série B deste ano, porque os demais, à exceção do Juventude estão brigando por alguma coisa. Vila Nova, sétimo com 54 pontos: Londrina, o sexto com 55 e Oeste o quinto com 57 brigam com Paraná, 59 e Ceará, 60 pelas duas últimas vagas do acesso à Série A. Como as   chances maiores são de Paraná e Ceará, a probabilidade desses três clubes permanecerem na Série B é muito acentuada. 

 

Na parte debaixo Luverdense, 40 pontos; CRB, 42; Boa Esporte, Guarani e Figueirense, todos com 43; Goiás, 44; Paysandu e Brasil de Pelotas, ambos com 45 e Criciúma, 46, lutam para fugir da última vaga do rebaixamento, no momento em mãos do time mato-grossense.

 

São nove equipes lutando para fugir desta vaga maldita. Na próxima rodada o risco maior está com o próprio Luverdense, o primeiro do Z-4, CRB; 42 e Boa Esporte, com 43 correm o risco de ingressar na zona de rebaixamento nesta rodada, em função dos critérios de desempate.

 

Guarani e Figueirense, que têm 43 pontos, não correm o risco de entrar na zona de rebaixamento nesta rodada, em decorrência de terem duas vitórias a mais do que o Luverdense.  Goiás. 44; Paysandu e Brasil de Pelotas, com 45 e Criciúma, 46 também estão livres deste risco nesta rodada.

 

Vimos, portanto, que há um grande equilíbrio na Série B, similarmente ao que ocorreu na Série C e está acontecendo na A, em que, a exceção do Corinthians, que praticamente está com o titulo na mão, os outros ainda lutam por alguma coisa. Faltando doze pontos a serem disputados, nem o lanterna, Atlético Goianiense, com 30 pontos está rebaixado matematicamente. Somente a partir do Vasco, o oitavo com 49 pontos, os clubes estão  livres de qualquer ameaça, posto que não mais poderão ser alcançados pelo Sport, que tem 36.

 

Bahia, 46 pontos; São Paulo e Atlético Paranaense, 45;  Chapecoense, 44; Fluminense, 43; Coritiba, 40 e Vitória, 39, faltando 12  pontos a disputar, matematicamente ainda não estão livres da ameaça de descenso, isto porque ainda podem ser superados pelo Sport, o primeiro do Z-4, com 36 pontos e que ainda poderá chegar a 48.

 

Na eventualidade desses campeonatos terminarem com essa configuração,  a Série B estaria assim constituída: Sport, Ponte Preta, Avaí, Atlético Goianiense, CSA, Fortaleza, São Bento, Sampaio Corrêa, Oeste, Londrina, Vila Nova, Juventude, Criciúma, Brasil de Pelotas, Paysandu, Goiás, Figueirense, Guarani, Boa Esporte e CRB.

 

Por região o grupo ficaria assim distribuído: Nordeste, com cinco clubes: Sport, CSA, Fortaleza, Sampaio e CRB. Norte, um clube: Paysandu. Sudeste, cinco clubes: Ponte Preta, São Bento, Oeste, Guarani e Boa Esporte. Centro Oeste, três clubes: Goiás, Vila Nova e Atlético Goianiense. Sul, a região com maior número de clubes, seis: Avaí, Londrina, Juventude, Criciúma, Brasil de Pelotas e Figueirense.

 

Em assim continuando os clubes de Goiás, serão os maiores beneficiados em termos de deslocamento, porque terão seis jogos entre si, sem sair de casa. Os mais prejudicados  são o Paysandu, do Pará e o Juventude e Brasil de Pelotas, do Rio Grande do Sul, que farão os maiores percursos, quando dos jogos entre si.

 

Esse quadro, contudo, provavelmente não sofrerá muitas alterações. O Sport, pelo investimento, ainda pode escapar, mas nesse caso o Vitória poderia assumir o seu lugar, ou até mesmo o Coritiba. Com Sport e Vitória a configuração por região não se alteraria. Na hipótese do Coritiba cair, a região Sul ficaria ainda mais fortalecida na divisão, pois iria para sete clubes. Esperemos.

 

Pensamento do Dia - Tem sempre presente que a pele se enruga, que o cabelo se torna branco, que os dias se convertem em anos, mas,  o mais importante não muda: tua força interior. (Madre Teresa de Calcutá).

 

Por hoje c’est fini.

 

.    

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.