Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

PERDEMOS O JOGADOR CÉLIO BANDEIRA, UM DOS ÍCONES TRICOLORES

22 Nov 2017

 Advincula Nobre , Célio Bandeira e Flávio Novais - Entrega do Leão de Ouro em 2015

 

Célio Bandeira de Abreu (Nascido em Fortaleza em 8 de Agosto de 1935, 82 anos) mais conhecido como Célio, funcionário público federal (antigo IAPI) começou a carreira jogando no infantil do Gentilândia que o lançou para o futebol cearense e mais precisamente para o Fortaleza, onde viria a brilhar.

 

Considerado o melhor batedor de pênaltis do futebol cearense em todos os tempos, jamais desperdiçou uma cobrança e chegou a converter uma cobrança de calcanhar. A mais  acirrada em pênaltis entre Fortaleza e Ceará ocorreu numa decisão de Torneio Início, e à época só existia um cobrador, em que acertou dezoito cobranças superando o Zé Gerardo, meio-campista do rival, também exímio cobrador, mas que acertou apenas dezessete.   

 

Jogou pelo Fortaleza Esporte Clube do ano de 1958 a 1964 e atuou pela  Taça Brasil de 1960, sagrando-se vice-campeão brasileiro, onde foi consagrado como o melhor jogador em campo. Pena que os heróis da daquela conquista não sejam lembrados e reverenciados. Foi um título em tempos difíceis em que o futebol cearense ainda engatinhava e por isso tem valor incomensurável.

 

Atuou na famosa defesa tricolor: Pedrinho, Mesquita e Sanatiel, Toinho, Célio e Renato. Sempre fui seu fã, por se tratar de um atleta, que não era tão alto para a posição de zagueiro, mas que esbanjava categoria e tinha muita impulsão. Costumava dominar a bola no peito e sair jogando e era exímio passador de bola. Fazia gosto velo jogar!

 

Quando cheguei da Paraíba em 2011 consegui localizá-lo, nascendo aí uma sólida amizade e, como ainda não apresentava programa radiofônico, levei-o, num dia de sábado, para uma entrevista na Voz da Fiel, comandando pelo Emanoel Magalhães, resgatando do ostracismo um jogador brilhante que fez muita história no Tricolor.

 

Posteriormente, numa entrevista, já no Fala Leão, o Célio contou muitos “causos” do Fortaleza, reportando-se a uma tentativa de aliciamento de que foi vítima, numa decisão do Cearense, por parte de um proeminente presidente do nosso rival, evidentemente que não aceita e que relembro apenas para evidenciar a sua firmeza de caráter e a sua lisura, enquanto atleta e cidadão e olha que era uma vultuosa quantia. Nos anos sessenta já existia isso.

 

Infelizmente perdemos ontem o nosso grande jogador, que se faz merecedor de ser incluído no panteão da fama entre os ícones tricolores, por tudo que fez pelo clube. Resgatando a sua história, enquanto Conselheiro, apresentei uma moção para que fosse agraciado com o Leão de Ouro, ainda em vida, homenagem que o deixou radiante,  porque em todo esse tempo estava um tanto quanto esquecido. Precisamos cuidar mais dos nossos ídolos.

 

Nesse ensejo quero apresentar à família enlutada, as nossas mais sinceras condolências, nas pessoas dos seus filhos Narcélio Bandeira e Karine. Estou profundamente triste por ter perdido um grande tricolor e mais do que isso, um amigo, que amava tanto o clube que à época abdicou de uma proposta do futebol pernambucano para continuar defendendo as cores tricolores.

 

Que Deus o receba entre os seus eleitos com um cortejo e um coro de anjos! Quanto a nós, seus amigos e admiradores,  parafraseando a Luiz de Camões, só nos resta dizer que“vamos ficar aqui na terra sempre tristes”.

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.