Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

O ESPORTE INTERATIVO DEVE UM PEDIDO FORMAL DE DESCULPAS AO FORTALEZA

19 Jan 2018

O Leão grande goleiro e campeão do mundo, mérito que não podemos desconhecer, não é exatamente uma profissional que se notabiliza pela firmeza de caráter. Independentemente dos seus predicados técnicos,  que são inquestionáveis, enquanto jogador, e também como treinador,  foi por demais contestado, tanto pelo caráter duvidoso, como pela prepotência e arrogância, razão por que não é e não foi muito querido pelos colegas de profissão.

 

Na carreira, tanto como jogador, quanto como treinador, sempre deu demonstrações plenas da sua pobreza de caráter. O Portal Terra nos relembra um dos seus casos polêmicos,   enquanto jogador,  e mais vinte e quatro,  na profissão de treinador  que, demonstram claramente,  o seu desequilíbrio emocional e ético, próprio de quem, geralmente sempre cuspiu no prato que comeu, tanto é que saiu de quase todos os clubes, e foram muitos, em litígio.  Vamos à sua excrescência como jogador:

 

O jogo de ida da final do Brasileiro de 1978, entre Palmeiras e Guarani, estava empatado em 0 a 0 quando Leão se desentendeu com o ponta Bozó e, na confusão, acertou uma cotovelada no então jovem atacante Careca. Expulso, o goleiro demorou cerca de sete minutos para deixar o campo, tentou brigar com o árbitro e até mesmo com um guarda da Polícia Militar.

 

Pois foi esse cidadão de princípios morais duvidosos e deploráveis,      que se notabiliza por colecionar desafetos ao longo da carreira que, entrevistando o Rogério Ceni no  Esporte Interativo, rotulou o  Fortaleza de time pequeno, causando a revolta da nossa  torcida tricolor e de grande parte da imprensa cearense.

 

Gostaria de afirmar para esse senhor que o Fortaleza tem 3.000.000 de torcedores, tem uma torcida fiel, vibrante e forte, que o tem colocado,  em presença de público,  à frente dos clubes brasileiros tidos como grandes.  O Fortaleza pode não está entre os gigantes, mas seguramente, pela sua história e trajetória,  se insere entre os grandes do futebol brasileiro.

 

No Ranking de Público consolidado das quatro divisões em 2017, em um rol de 128 clubes, o Fortaleza, mesmo sendo de Série C no aludido ano,  ficou no TOP-10 da média de público por partida, cravando a oitava posição. Vamos ao Ranking:

1 – Corinthians -     40.007

2 – São Paulo –       35.227

3 – Palmeiras –        29.672

4 – Internacional   -  23.307

5 – Bahia –               21.540

6 – Ceará –              20.555

7 – Grêmio –            19.730

8 – Fortaleza –         18.174

9 – Vasco –              15.031

10- Cruzeiro –          14.547

 

Comparando o desempenho do Tricolor de Aço  em público, tão somente com os grandes clubes da Série A, que coloca por terra a declaração do Leão, que por sinal é muito desinformado e incompetente, vemos que o Fortaleza ficou à frente de clubes importantes como, Flamengo, Fluminense, Coritiba, Atlético Paranaense, Atlético Mineiro, Santos, Botafogo e Ponte Preta, além de outros menos votados.

 

O que me causa espécie é o fato de que o Esporte Interativo, mantém o silêncio, esquecendo que cresceu no cenário da imprensa esportiva brasileira, através de uma parceria bem sucedida com o futebol nordestino e especialmente com o Fortaleza, que foi o seu carro-chefe em termos de audiência e que, inquestionavelmente,  lhe garantiu um lugar de destaque nas pesquisas do IBOPE e de outros institutos.

 

Por essa razão, defendo a premissa de que esse grupo de televisão não deveria manter nas suas fileiras um profissional que discrimina o Nordeste, os seus clubes e as suas torcidas e que não consegue firmar amizades sólidas por onde passou. Constrói apenas inimizades.

 

A prova irrefutável é que, mesmo sendo ele o segundo jogador que mais vestiu a camisa do Palmeiras,  617  jogos, o primeiro é o Ademir da Guia, com 901, jamais firmou um vínculo sólido com o clube ou conquistou a admiração da torcida, ao contrário, por exemplo de um Luiz Pereira, que é apenas o sexto nesta lista, com 568 jogos e que é ídolo da torcida.

 

O Veloso, que assim como o Leão,  também atuou por outros clubes e  vestiu a camisa do Palmeiras em 455 jogos é ídolo do clube, enquanto o Leão não o é. Temos então o direito de inferir e de depreender,  que o dito cujo, para usarmos um refrão do Samba,  bom sujeito não  é!

 

Por tudo isso defendemos a premissa de que o Esporte Interativo, honrando essa parceria vitoriosa com o Fortaleza, deve ao clube um pedido formal de desculpas, afinal de contas, queira ou não, é compulsoriamente responsável pelos desatinos cometidos pelos seus contratados. No caso do Leão a palavra certa é “por essa molecagem”.

 

Pensamento do Dia - Mas vale lidar com um ignorante, do que lidar com um mau caráter. (Carlos Eduardo Tenório Conceição).

 

Por hoje c’est fini.

   

 

 

 

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.