Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

BARBALHA UM ADVERSÁRIO DIFÍCIL

 

 

BARBALHA UM ADVERSÁRIO DIFÍCIL

 

A primeira rodada da segunda fase será encerrada hoje com duas partidas. O Fortaleza estreia na competição às 20 horas, no Castelão, enfrentando o Barbalha, que foi o campeão da primeira fase garantindo participação na Copa do Brasil de 2020.

 

Os que defendem a premissa de que o nosso campeonato deve acabar por não valer nada, estão totalmente equivocados, isto porque a primeira fase, como vimos, garantiu ao campeão uma vaga na Copa do Brasil e o campeonato como um todo serve para qualificar as equipes para as competições nacionais.

 

O campeão e o vice têm vaga assegurada na Copa do Nordeste e os dois melhores   classificados, afora Fortaleza, Ceará e Ferroviário, que já estão em competições nacionais, garantem vaga na Série D.

 

O Cearense é tão importante quanto o Paulista, ou outro qualquer, pode ser, e nesse caso absorvo parte das críticas, que tenhamos que colocar o nosso principal produto numa embalagem melhor, que chame a atenção dos que se interessarem em comprá-lo. Aí são outros quinhentos.

 

Pois bem, o Horizonte recebe, no Domingão, às 21h30 minutos, numa espécie de reprise da primeira fase,  uma vez que o confronto entre ambos aconteceu também na primeira rodada e terminou empastado em 1 x 1.

 

Aliás, na primeira fase o Horizonte mandou 3 jogos: 1 x 1 com o Guarany, já comentado; 0 x 0 com Barbalha e 1 x 1 com o Ferroviário. Foram 3 empates, somando 3 pontos em 6 possíveis que lhes conferem um rendimento de 50-%. Está invicto nos seus domínios.

 

O Guarany, por sua vez, atuou na condição de visitante, na primeira fase em 4 jogos: 1 x 1 com o Horizonte; 0 x 0 com o Floresta; 0 x 0 Guarani de Juazeiro e 1 x 0 no Atlético cearense, tendo somado 6 pontos em 12 possíveis, apresentando um rendimento de 50%.

 

Embasados nesses números arriscar-nos-emos a dizer que o Guarany, em que pese ser o visitante, mas pelo equilíbrio demonstrado na fase classificatória, leva um ligeiro favoritismo, mas um empate não está totalmente fora de cogitação.

 

Mais cedo, 8 horas, no Castelão, o Fortaleza recebe o Barbalha, que vem com o status de campeão da primeira fase e de forma invicta, pois em casa venceu todas as 3 partidas e fora de casa empatou 3 e venceu uma.

 

Na qualidade de visitante empatou com o Guarany de Sobral em 1 x 1; com o Horizonte em 0 x 0; venceu o Guarani de Juazeiro por 3 x 0 e encerrou a participação empatando com o Ferroviário em 1 x 1.  Amealhou 6 pontos em 12, apresentado um percentual de desempenho de 50%.

 

O Fortaleza, em 3 partidas pela Copa do Nordeste, apresenta uma vitória, um empate e uma derrota, na última partida para o Botafogo (PB) fora de casa.  Fora de casa havia vencido o Náutico por 3 x 1, na primeira rodada, mas nos dois últimos embates teve um debacle.

 

Cedeu um empate em casa ao CSA, em 0 x 0 e foi derrotado pelo Botafogo (PB) por 1 x 0. Somou 4 pontos em 9 possíveis, apresentado um desempenho de 44,44% que, convenhamos, não é o dos sonhos, nem nosso, nem da comissão técnica e muito menos do elenco.

 

Teoricamente, em função da diferença de investimentos é o favorito, até porque jogará empurrado pela sua torcida, contudo, não podemos desprezar o Barbalha, que é um time entrosado e que não foi campeão por acaso, especialmente por ter suplantado o   Ferroviário, que vinha conquistando todos os títulos que encontrava pela frente.

 

O Fortaleza, em que pese ter falhado muito em termos defensivos no segundo tempo da partida contra o Botafogo, no geral, apr3esentou uma defesa segura, que acredito repetirá a exibição, no tocante aos acertos.

 

No meio de campo atuou com muitos volantes, de modo que acredito que o Rogério Ceni deve entrar com pelo menos um meia, mesmo que seja o Marlon, visto que os que foram testados na posição não demonstraram afinidades com a posição.

 

Todos nós nos revestimos da condição de treinador e tendemos a escalar o time. Longe de querer interferir nas decisões da comissão técnica eu escalaria o Junior Santos mais à frente, por ser um dos poucos do elenco que tem mais intimidade e afinidades com a camisa 9,

 

Testaria o Pedro Junior pela esquerda e o Edinho pela direita, afinal de contas os dois atletas precisam ganhar ritmo de jogo. O Rogério optou pelo Romarinho, que não foi bem.  

 

O Ederson entraria no decorrer da partida, em substituição a um dos dois que acusassem cansaço, não havendo nenhum impedimento que o revezamento fosse inverso que, aliás, é o que deve ocorrer.  

 

A nós torcedores só nos resta apoiar e torcer para que o time vá se materializando, vá ganhando corpo e ritmo. Doravante todos os jogos serão decisivos, tanto no Cearense como na Copa do Nordeste, havendo a necessidade premente de que o time esteja acertado o mais rapidamente possível.

 

Por hoje c’est fini.

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.