Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

VITÓRIA PARA SER COMEMORADA

GUARANY 0 X 1 FORTALEZA - VITÓRIA PARA SER COMEMORADA

 

Sempre defendi que a posição na tabela dos 8 clubes que participaram da Primeira Fase não refletia e nem retratava a verdadeira capacidade técnica dos mesmos, até porque durante aquele período alguns clubes foram crescendo, assim como outros decepcionaram, casos do Guarani de Juazeiro e Iguatu.

 

Entre os que nos surpreenderam positivamente está o Guarany de Sobral que, nas primeiras 3 rodadas  teve um desempenho apenas razoável, haja vista que empatou todas as partidas, somando apenas 3 pontos em 9 possíveis e apresentando um percentual de desempenho de 33,33%.

 

A partir da quarta rodada o time sobralense começou a subir de produção, conquistando 2 vitórias e 2 empates. A sua primeira vitória, marco inicial da sua evolução,   ocorreu sobre o Ferroviário, até então o favorito para conquistar a Primeira Fase.

 

Esse triunfo que deu ânimo ao Guarany foi nefasto para o Ferroviário, posto que, no frigir dos ovos, lhe tirou a possibilidade de assumir a ponta da tabela e lutar pela vaga na Copa do Brasil. Outro grande beneficiado com esse resultado foi o Barbalha.

 

Fiz esse preâmbulo para ilustrar e embasar a minha tese de que o Guarany, pelo crescimento acentuado que obteve a partir da quarta rodada, mercê da vitória sobre o Ferroviário, que foi uma espécie de divisor de águas, chegou à Segunda Fase como a equipe mais acertada tática e tecnicamente.

 

Na condição de equipe que mais se robusteceu, logo na primeira rodada da Segunda Fase conquistou uma vitória importante sobre o Horizonte, fora de casa, numa prova inconteste de que se transformara numa equipe avigorada.

 

Para termos uma ideia da performance do Guarany nas quatro últimas rodadas, faz-se mister dizer que o seu desempenho foi igual do campeão Barbalha, de 66,66% e superior aos desempenhos dos dois clubes que se classificaram à sua frente, Atlético em segundo, com 50% e Ferroviário em terceiro com 41,66%.

 

Foi esse o time que o Fortaleza enfrentou na tarde de ontem no Junco, conquistando uma vitória importante e quebrando a invencibilidade de uma equipe que vinha há 8 rodadas sem perder, razão por que não podemos minimizar o valor dessa vitória.

 

Indiscutivelmente todos nós, enquanto torcedores, queremos sempre vitórias avassaladoras sobre os adversários, contudo, pelos números que elencamos, temos que agir de forma racional, reconhecendo a capacidade técnica do time sobralense.

 

O Fortaleza não foi esse time apático que muitos apregoam, pelo contrário, dominou as ações em cerca de dois terços do embate, perdeu boas oportunidades para ampliar o marcador, especialmente uma com o Romarinho que, frente à frente furou e errou o chute, uma com o Ederson e outra com o Tinga.

 

Além do mais o Ederson, que foi uma das principais figuras do jogo, ia marcando um gol antológico, num lance rápido, que exigiu celeridade de raciocínio, em que chutou por cobertura ao ver o goleiro adiantado e a bola por puro capricho pegou no morrinho e cobriu o travessão.

 

Gostei dos laterais, vez que o Tinga, mais uma vez, suportou bem a partida e o Carlinhos, pela esquerda foi um pouco mais agudo, tanto é que o gol saiu de uma assistência sua.  

 

O Felipe Alves lançou na esquerda, mas a bola   ficou com o defensor do Guarany, que se descuidou, ou vacilou, como se diz no futebolês, o suficiente para o Carlinhos recuperar e cruzar na medida para o Ederson marcar.

 

O miolo de zaga esteve muito seguro, especialmente com o Quintero que foi um gigante nas bolas alçadas para a área e o Roger que,  a cada dia,  está pegando mais ritmo de jogo.

 

No setor de contenção o Paulo Roberto fez uma excelente partida, seguido pelo Felipe que se houve muito bem e atuando com muita seriedade. O Marlon como meia de ligação não foi bem sucedido, melhorando de rendimento quando passou a atuar pelos flancos, como no Sampaio Corrêa.

 

O ataque se movimentou bem, especialmente com o Edinho que num lance em que penetrou livre foi aterrado dentro da área e o Carlos Custódio não marcou. A grande imprensa estranhamente não comentou esse lance. Fosse o erro a favor do Fortaleza e estaria nas manchetes.

 

As substituições do Rogério não surtiram o efeito desejado, embora o menino Coutinho tenha mostrado muita disposição. Acredito que    tem grandes possibilidades de crescimento técnico e deva receber mais oportunidades do Ceni, que ontem demonstrou muita coragem e confiança ao colocá-lo em campo.

 

Não foi um primor de jogo, mas foi uma boa vitória e deve ser comemorada, pois o Guarany é uma boa equipe e com certeza estará entre os 4 que vão para as semifinais. Esse foi o jogo que eu vi. Tem gente que parece ter visto outra partida. Nota 8 para o time.

 

Por hoje c’est fini.

 

 

 

  

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.