Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

É SÓ ACREDITAR E TRABALHAR!

 

É SÓ ACREDITAR E TRABALHAR!

 

 

O Brasileirão se configura como o campeonato mais difícil do planeta, pois enquanto os mais renomados, como o Espanhol e o Inglês contam no máximo com 4 clubes com condições de arrebatar o título, o nosso tem pelo menos dez equipes credenciadas a conquistar o cetro máximo.

 

O Fortaleza, que não se insere nesse rol dos que lutam pelo título, queiramos ou não, enfrenta uma situação das mais complicadas, isto porque vem de 8 anos na Série C e de um  na Série B, razão por que tem  sérios problemas estruturais, agravados ainda pela distribuição desigual das cotas de televisão,   que cria uma casta, onde os grandes serão sempre grandes e os demais clubes estão fadados a continuarem sempre pequenos.

 

Em meio a todas essas dificuldades surge o Fortaleza, que nos três últimos anos vem de uma ascensão esplendorosa, mas que empaca nas dificuldades que citamos, além daquelas  que fazem parte do contexto do nosso futebol, de modo que manter-se na elite se configura como um ato de bravura e de heroísmo.

 

Nesse aspecto o Tricolor, para continuar na elite, que seria importante para a retomada do seu crescimento, terá que somar 46 pontos em 114 possíveis, que equivalem a um desempenho de 40,36%, enquanto o seu desempenho atual é de 35,9%. Há, por conseguinte  uma defasagem de 4,36%.

 

O percentual de 4,36% corresponde aos aludidos 4,97 pontos de déficit, arredondados para 5 donde deduzimos que o desempenho ideal do Tricolor nessas 13 rodadas deveria ser de 19 pontos.

 

Em outro cálculo, uma espécie de prova dos noves da metodologia anterior, divide-se 46 pontos necessários para a permanência na competição, pelo número de partidas, 38, deduz-se que o Fortaleza necessitaria de uma produtividade por jogo de 1,21 pontos, contra os 1,07 atuais (14 pontos : 13 jogos).

 

Não sou Matemático, contudo, desde que comecei a escrevinhar essas  mal traçadas linhas, e já lá se vão 12 anos, tenho me valido das estatísticas, ferramentas importantíssimas para direcionar e balizar o planejamento de qualquer empresa, incluindo-se os clubes de futebol e até da nossa nação.

 

Para elaborarmos o planejamento para os próximos 6 jogos com o objetivo de recuperar o terreno perdido, há que se considerar o desempenho pregresso com o fito de identificar os erros e de fazer as correções devidas para que os mesmos sejam extirpados. 

 

Ora, num campeonato difícil como esse não podemos desperdiçar pontos em casa, pelo menos na proporção que os deixamos escapar, haja vista que em  12 pontos possíveis disputados em casa,  nada mais e nada menos do que 11 foram jogados pelo ralo: Derrotas para São Paulo, Corinthians e Ceará e no empate com o Vasco e tanto desperdício é inadmissível.

 

Nas próximas 5 rodadas, que encerram a primeira, a nossa tese é a de que todas as medidas necessárias têm que ser imprimidas agora, enquanto há tempo. A justificativa de que ainda temos muito campeonato pela frente não se justifica, pois de repente, quando nos dermos conta do prejuízo, poderá ser muito tarde.

 

Há que se elaborar um planejamento muito rígido, do qual não poderemos nos desviar por um milímetro. Temos que eleger como primeira meta a vitória em todos os nossos jogos em casa; Internacional, Goiás e Fluminense. Temos jogos difíceis, mas ou vencemos ou perdemos o fio da meada.

 

A segunda meta deve ser traçada para os jogos fora de casa, contra CSA, Santos e Bahia. Vencer o CSA é imperioso e contra o Bahia teremos que pelo menos empatar, ou seja, nesses dois embates há que se conquistar no mínimo  4 pontos.

 

Contra o Santos, o líder do campeonato, a parada será mais difícil, uma espécie de prova de fogo, contudo temos que enfrentá-lo de cabeça erguida, até porque quem morre de véspera e peru.

 

Somando 13 pontos nesses 18 possíveis, terminaremos o primeiro turno com 27 pontos no bisaco e na faixa da Sul-Americana. É só acreditar e trabalhar.

 

Por hoje c´est fini.

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.