Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

O SEGREDO DA ADMINISTRAÇÃO É A CORREÇÃO DE RUMOS.

                   QUAL O BRAÇO APONTA PARA A DECISÃO CERTA E O TEMPO É O MAIOR INIMIGO!

 

 

O SEGREDO DA ADMINISTRAÇÃO É A CORREÇÃO DE RUMOS.

 

 

O Fortaleza vem recebendo de alguns segmentos da imprensa local, para não generalizarmos, um tratamento “especial” com referência à produtividade negativa da sua defesa que, em 13 jogos, foi vazada por 20 vezes, situação das mais destoantes,   quando tratamos do cinturão defensivo dos grandes clubes, entre os quais se situa o Tricolor.

 

Nessa contingência posiciona-se a defesa tricolor  entre as piores da competição ocupando o terceiro lugar, ao lado de Goiás, Cruzeiro e CSA e superando apenas os sistemas defensivos de Chapecoense, 23 gols e do Fluminense  22.

 

A torcida está insatisfeita, isto porque, essa enxurrada de gols, 1,53 por jogo, ou quase 2 por partida, tem sido responsável pelas derrotas tricolores, mormente em casa, a exemplo da ocorrida contra o Corinthians, em que o clube sofreu uma virada, em poucos minutos, por 3 x 1.

 

Na partida contra o nosso rival, sofreu 2 gols em 4 minutos, tanto por desatenção quanto por erro de posicionamento. Para os críticos, tanto da imprensa, quanto da torcida, além de problemas no miolo da zaga, esse desempenho abaixo do desejado tem relação com à falta de proteção à zaga por parte do setor de contenção.

 

Não comentarei  o assunto de modo mais amiúde  porque já o debati com um importante membro da Diretoria Executiva, do qual privo da amizade e confesso que na abordagem desse problema fui um pouco incisivo, rude e quase indelicado, quando afirmei que um time que tem uma defesa com essa produtividade negativa está fadado a cair.

 

Escusando-me de ser assim tão pessimista vou refazer a minha assertiva para enfatizar que fiz um levantamento que demonstra cabalmente que  desde 2006,  via de regra, os clubes que apresentaram  desempenho similar foram rebaixados, a maioria na 17ª posição, urgindo, portanto, que o problema seja equacionado.

 

Não vou atrever-me a apontar soluções, porque o Fortaleza tem uma comissão técnica das mais qualificadas, uma diretoria de futebol atenta ao problema, enfim, profissionais da mais elevada monta que estão cientes dessa situação desconfortável e, por certo, estão à cata de soluções.

 

Por vezes o torcedor é pusilânime, contudo recebi algumas postagens que reputei como pertinentes, em que os tricolores   comparavam a nossa defesa com a do rival, afirmando que o referido clube conta com cinco defensores, três dos quais de excelente qualidade técnica e dois de menor quilate que,  quando acionados não decepcionaram.

 

Os aludidos torcedores fizeram comentários acerca dos nossos defensores, tanto quantitativa como qualitativamente, que não eram exatamente dos melhores. Preocupavam-se com o fato de só termos três zagueiros, dos quais o Quintero foi o mais elogiado e defenderam a tese de  que o elenco necessita de imediato, de pelo menos mais um zagueiro pela esquerda.

 

O nome mais citado como reforço foi o do Ligger que, além de rápido, sabe sair jogando. Expressaram, outrossim,   inquietação pelo fato do Quintero não ter um substituto à altura, não podendo sequer receber o terceiro amarelo. Avalio que esta situação tem que ser revista.

 

Sempre que necessário recorro às estatísticas que nos fornecem dados que reputo como confiáveis, de modo que examinei a quantidade de gols sofridos nas últimas 5 rodadas pelas defesas dos 8 clubes que lutam com o Fortaleza pela permanência na Série A e cheguei ao seguinte ranking:

1ª – Goiás:               13 gols.

2ª – Chapecoense:  10

3ª -  Avaí:                   9

4ª-   Fortaleza:           8

5ª – Fluminense:        7

6ª -  CSA:                   7

7ª – Cruzeiro:             6

8ª – Grêmio:               5

9ª – Ceará:                 4

 

Somos do ponto de vista de que  a nossa primeira, principal e mais importante luta é travada no âmbito local com o  nosso rival e os números justificam a apreensão demonstrada pelos que interagiram comigo nas redes sociais.

 

Nas 5 rodadas, voltando à comparação, a defesa tricolor sofreu o dobro dos gols do rival e devemos ter em mente que a Nação Tricolor não gosta de “perder para o Ceará nem em jogo de castanhas”.

 

Por hoje c’est fini.

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.