Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

ADVERSÁRIO FORTE, MAS NÃO IMBATÍVEL!

16 Oct 2019

 

 

ADVERSÁRIO FORTE, MAS NÃO IMBATÍVEL!

 

 

O Fortaleza terá uma partida muito importante no dia de hoje contra o Flamengo, o líder da competição e que vem fazendo uma campanha arrasadora, apresentando um  desempenho de  77,3%, seguramente o maior desde 2006, início do atual modelo com 20 clubes.

 

Considerando-se que faltam 39 pontos a serem disputados e se esse percentual for mantido o time carioca conquistará mais 30 pontos e será o campeão com 88 pontos, passando a ser o recordista do certame. Os recordistas atuais são Palmeiras e Cruzeiro que chegaram ao título somando 80 pontos.

 

Para efeito de comparação e para que se tenha uma ideia mais real do desempenho flamenguista, vejamos a perfornce dos primeiros colocados na 25ª rodada, nos últimos 3 anos. Em 2018 o São Paulo era o líder com 50 pontos; em 2017 o Corinthians somava 54 e em 2016 o Palmeiras somou 48.

 

Ademais o  Flamengo, que só terá o jogo de ida pelas semifinais da Libertadores no dia 23 do corrente, ou na próxima semana,  veio para a nossa capital com todos os titulares em busca de mais uma vitória, que consolide a sua  liderança, o deixe mais longe do  Palmeiras e mais próximo da conquista de um título que não ganha desde 2009.

 

Esses dados evidenciados até aqui contestam o ponto de vista de muitos analistas que sustentam que esse é um campeonato dos mais fracos na era de pontos corridos, o que não é verdade visto que, continuando e falar de Flamengo, o mesmo foi campeão em 2009 com 67 pontos.

 

Desfeitas as falácias vamos para a nossa realidade em  que teremos que enfrentar uma equipe poderosíssima, que não vem tomando conhecimento dos adversários,   que tem 18 vitórias, consignando  53 gols e sofrendo somente 21 e que  apresenta um saldo positivo de 32 gols.

 

Excetuando-se o Grêmio que marcou 43 gols; o Palmeiras 40; o Santos 36 e o Atlético Paranaense 35, o saldo de gols do Flamengo supera a produtividade ofensiva das demais 15 equipes que disputam o certame, a começar pelo Atlético Mineiro que assinalou apenas 30 e findando no  Avaí que marcou somente 13.

 

Sabemos do potencial do nosso adversário, mas vamos ficar extasiados e inertes com o canto da Sereia que, consoante a  à Mitologia Grega é metade peixe e metade mulher e que encanta a  todos que ouvem o seu canto nas madrugadas, especialmente os marinheiros?

 

Não! Vamos à luta empurrados pela força da   nossa torcida, afinal de contas todo Golias sempre encontrará um dia um Davi pela frente e hoje será o dia do nosso Davi, cuja funda será arremessada contra o gigante Golias, encarnado no Flamengo, através da energia motora gerada nas arquibancadas pela Nação Tricolor, cujo componente principal é o amor devotado a esse clube que, nos momentos difíceis se agiganta.

 

Deixando de lado, no entanto, a nossa vã filosofia fazemos uma pergunta prática e simples: O que devemos fazer para conter a força avassaladora do adversário?  Em primeiro lugar devemos reconhecer a sua existência, posto que conhecendo o poderio do oponente fica mais fácil, ou menos difícil, neutralizá-lo.

 

Em segundo lugar, e isso é obvio e ululante, diante de um ataque arrasador e massacrante devemos ter o cuidado de proteger o nosso sistema defensivo e para tanto, manda a sabedoria que coloquemos um volante, tipo Brucutu, para proteger a zaga.

 

Felipe e Juninho têm mais intimidade com a bola, mas são relativamente frágeis na marcação,  de modo que o recomendado seria um Derley como xerifão, postado no meio da zaga e com o fito de evitar que o ataque flamenguista veleje pela nossa defesa como se estivesse num mar de calmarias.

 

Outro ponto importante diz respeito ainda ao meio de campo, que está errando muitos passes e brindando os adversários com contra-ataques perigosos e esse tipo de erro diante do ataque flamenguista, se vier a acontecer, podem crer, será mortal.

 

Temos que melhorar o setor de engenharia que, contra o Vasco, praticamente não funcionou, até porque peças importantes, a exemplo do Edinho, não produziram a contento. Temos que nos concentrar porque esse será o jogo da nossa vida e temos que encará-lo como se estivéssemos num deserto, com muita sede e fome e disputando um único prato de comida e o último copo   d´água.

 

O Flamengo é forte, mas não é imbatível, o Bahia, que o goleou por 3 x 0 que o diga, de modo que reconhecemos o seu poderio, mas vamos enfrentá-lo de cabeça erguida e cônscios de que temos potencial para vencê-lo. É só acreditar.

 

Por fim e para finalizar temos que mostrar ao mundo que somos o Fortaleza e que os comentários maldosos que apregoam que a maioria dos nossos profissionais recebeu cartões amarelos propositadamente para fugir dessa partida, como se estivesse fugindo das responsabilidades não procedem. Vamos mostrar que quem é Fortaleza tem dignidade e não foge jamais à luta!

 

Por hoje c’est fini.

 

   

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.