Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

WELLINGTON PAULISTA FAZ MAIS UM GOL IMPORTANTE

27 Oct 2019

                                                     O ARTILHEIRO DOS GOLS DECISIVOS

 

 

WELLINGTON PAULISTA FAZ MAIS UM GOL IMPORTANTE!

 

 

 Nas cinco primeiras partidas da 28ª rodada  iniciada ontem, quatro terminaram empatadas e um embate terminou com vitória do visitante, Bahia 2 x 3 Internacional. Corinthians e Santos ficaram no 0 x 0, fechando os jogos cujos resultados não tinham qualquer conotação com as equipes que lutam no andar de baixo da tabela.

 

O Bahia, que estacionou nos 41 pontos, vem de duas derrotas consecutivas, desperdiçando a oportunidade de ouro de se garantir matematicamente na Série A de 2020. Na rodada anterior foi derrotado de  virada,  pelo Ceará, por 2 x 1, com o segundo gol sendo bastante contestado,  tanto é que ingressou com uma representação na CBF.

 

Isso são outros quinhentos, pois o que deve estar preocupando a torcida do Bahia, indiscutivelmente é a sua queda de produção em casa, nesta reta final, uma vez que no retorno, de positivo, conquistou apenas uma vitória sobre o Botafogo e um empate com o São Paulo.

 

 

Nas 3 últimas rodadas, enquanto mandante, sofreu 3 derrotas consecutivas para Atlético Paranaense, Ceará e Internacional, somando 4 pontos em 15 e apresentando um percentual de aproveitamento de 26,66%. Uma queda das mais acentuadas para quem no primeiro turno soube se impor nos seus domínios.

 

Corinthians e Santos fizeram um jogo de muito movimento no meio de campo, mas sem nenhuma inspiração ofensiva. O Santos porque não tem atacante de área e o Corinthians porque, mesmo tendo-os em profusão, não teve um meio de campo capaz de  colocá-los em posição para marcar. Um jogo morno cujo placar de 0 x 0 retrata fielmente a sua pouca produtividade.

 

Nas 3 partidas que se inter-relacionavam por envolver equipes que lutam no mesmo campeonato, todas terminaram com o mesmo placar de 1 x 1 não prevalecendo, pois, o mando de campo. Foram resultados que derrubaram os matemáticos.

 

O maior perdedor nesta rodada, em que pese ter literalmente empatado, vez que a Chapecoense partiu na frente, foi o Fluminense, visto que até o empate, que contava com apenas 15% na visão dos preditores, seria reputado como zebra, o que realmente aconteceu.  

 

Tivesse saído vencedor chagaria a 32 pontos e suplantaria o Ceará que, em função do empate entre Cruzeiro e Fortaleza escapou de terminar a rodada no Z-4. A sorte é que o Fortaleza ajudou tanto o Ceará quanto o Fluminense, vez que se tivesse perdido o time carioca estaria na zona de descenso.

 

Ceará 1 x 1 Vasco e assim como na partida do Fluminense o time cearense teve que correr atrás do prejuízo. A possibilidade de empate, que em decorrência da evolução vascaína eu aventara como possível,   contava com 36% e era a segunda alternativa na visão dos analistas.

 

Considerando que foi um   confronto entre times parelhos, ou do mesmo tope, o empate em casa não foi bom para o Ceará que, consoante os analistas contava com 42% de chances de sair vitorioso.

 

Por fim o nosso embate, em que o Cruzeiro incendiado pela sua torcida e sequioso para deixar o Ceni numa situação de constrangimento, ou desmoralizado, como se diz no popular, lutou com unhas e dentes para nos derrotar, exercendo uma pressão muito grande sobre a defesa tricolor.

 

Ressalve-se que dos cobras-criadas do time mineiro, ou dos seus donos, somente o Robinho e o Fábio foram cumprimentar o Ceni, os demais, especialmente o Tiago Neves,  nem sequer olharam para os lados do nosso banco. Uma pena que tenhamos esse tipo de comportamento no futebol.  

 

Foi muita pressão, principalmente no segundo tempo, em que o time cruzeirense buscava a vitória a qualquer custo, chegando a 64% de domínio, colocando uma bola na trave e ensejando que o Felipe Alves, indiscutivelmente o melhor jogador tricolor na partida, praticasse 3 defesas milagrosas.

 

Diante dessa avalanche de ataques seria natural que saísse o gol, contudo,  quando todos esperavam que o Fortaleza não tivesse mais forças para reagir, eis que a bola é roubada na intermediária ofensiva e servida na direita para o Gabriel Dias, que cruzou e o Marlon se enrolou um pouco na finalização, sobrando para o Wellington Paulista que, quase engatinhando, como disseram os analistas, tocou para dentro do gol.

 

Foi um empate da pertinácia, da obstinação e até de um pouquinho de sorte, que não faz mal a ninguém. Ressalte-se que, nos últimos minutos o Tricolor teve a oportunidade de virar o jogo, o que seria um enorme castigo para o clube cruzeirense. Valeu o empate, especialmente se tivermos em mente que para a imprensa mineira a vitória cruzeirense era “favas contadas”. Valeu o boi!

 

Por hoje c’est fini.

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.