Desenvolvido por:

(88) 9 9776 7362

© 2016 por "Fortaleza Sempre". Orgulhosamente criado com Go Gestor

HORA DE APOIAR!

25 Nov 2019

                        Bruno Melo - Grande partida na quarta zaga contra o Internacional! (Foto - Imprensa FEC).

 

 

HORA DE APOIAR!

 

 

O Bruno Melo, para nossa desdita, perdeu um pênalti que poderia tê-lo consagrado mais ainda e definitivamente como o artilheiro de gols importantes e decisórios. Essa boa performance começou na Série C, continuou na Série B e no Brasileirão tem cobrado penalidades em jogos de grande importância para o Tricolor, mas desta vez não deu!

 

Na Série B, que consagrou o próprio Bruno e o Gustagol, foi eficientíssimo na cobrança de penalidades, mas ontem perdeu a oportunidade de colocar o Fortaleza, efetivamente, com os dois pés na Série A de 2020 e ainda na primeira página da tábua de colocação.

 

Cobrou a penalidade nos últimos segundos da partida e ensejou que o goleiro do Internacional defendesse e consoante renomados comentaristas, a cobrança foi meio que telegrafada, embora no meu ponto de vista o goleiro adversário tenha feito uma grande defesa e não sou eu quem vai lhe tirar os méritos. Tivesse convertido o Tricolor estaria com 45 pontos e virtualmente classificado. Por enquanto ainda depende de pelo menos mais um pontinho.

 

Não adianta chorar o leite derramado mesmo que,  como dizia o Neném Prancha “o pênalti é tão importante que devia ser cobrado pelo presidente do clube”, isto  porque pênaltis são perdidos até em decisões de Copa do Mundo, como o do  Baggio, principal jogador da Itália, que errou em 1994 e o Brasil se sagrou tetracampeão mundial.  Bola para frente!

 

O que dizer da partida? O que podemos afirmar é que o Fortaleza foi um time brioso e que se impôs diante do Internacional e tudo faz crer que estamos repetindo 2018, quando crescemos na reta final, em que o time evoluiu no momento certo. Queira Deus!

 

Temos que levar em conta, porém, que os nossos gols foram construídos com muita categoria e velocidade, especialmente o primeiro assinalado pelo Osvaldo, mas o sistema defensivo deixou muito a desejar e quando falo em sistema defensivo me reporto a todos que têm o ofício de defender.

 

Acredito que o Rogério tenha dito isso, até porque foi um dos mais renomados futebolistas e da defesa: “Em gol de bola parada em mais de 90% dos casos ocorre por erro de posicionamento” e em outros por desatenção, a exemplo do gol do River Plate no Flamengo.

 

O Guerrero que é um bom centroavante, lembrando que só não acertou, por incrível que possa parecer, no Flamengo, fez dois   gols de cabeça sem ninguém para lhe acossar ou pressionar, ou em outras palavras, nos dois tentos a nossa defesa não saiu do chão.  

 

No primeiro gol o Guerrero veio de trás e não foi devidamente acompanhado por um dos volantes, além de contar com a indecisão da zaga, que ficou parada e estática, não indo na bola.

 

No segundo, numa cobrança de corner, também vindo de trás, a bola foi ajeitada da esquerda para o seu cabeceio e o seu marcador não saiu do chão, ensejando que cabeceasse livre.

 

Apontamos essas falhas, completamente desprovidos de senso crítico, mas com o intuito de despertar a atenção dos envolvidos no processo, para que os acertos sejam feitos e possamos atuar  nessa reta final de  forma muito mais compenetrada.

 

Chega de falar de erros! Falemos de coisas boas, dos nossos dois gols, ambos de bela feitura. No primeiro o Osvaldo recebeu após uma saída em velocidade  do Romarinho pelo meio, entrou na área e fazendo de um palmo de campo um feudo, ou um latifúndio, driblou o zagueiro e na saída do goleiro, num espaço milimétrico, desviou para o gol.

 

O segundo foi uma pintura, haja vista que a bola foi lançada na direita e o lateral do Inter avaliou que a mesma iria sair, ledo engano, visto que o Gabriel Dias com uma velocidade que nos surpreendeu, “a la” Romarinho evitou a saída, penetrou sozinho e chutou, tendo o goleiro defendido magistralmente.

 

No rebote o zagueiro teve um segundo de indecisão, o suficiente para que o Tinga se jogasse de corpo e alma e fizesse o gol.  Esse tento marca e ratifica o seu novo posicionamento como elemento surpresa, o que pode ser uma boa carta na manga, visto que os adversários esperam sempre que essa função seja exercida pelos volantes ou pelos meias.

 

Ainda me reportando sobre o pênalti perdido, li no grupo do WhatsApp Fortaleza Esporte Clube uma postagem que retrata toda a nossa linha de pensamento de que o momento não é de criticar, mas de apoiar.

 

Vamos à postagem que mostra a imagem do Bruno cobrando um pênalti com a seguinte legenda:

“Sem esse pênalti convertido há dois anos nem haveria esse pênalti de hoje (ontem)! O nosso Bruno Melo é um profissional exemplar e fez uma partidaça como zagueiro. Hora de apoiar o nosso penúltimo jogo em casa. Gratidão sempre. Obrigado  Bruno”!

 

Por hoje c’est fini.

 

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
POR TRÁS DO BLOG
Advíncula Nobre

Advíncula Nobre, colaborava com o site Razão Tricolor e quando esse encerrou, passei a colaborar com os Leões da Caponga, que também encerrou as atividades, quando então ainda residindo em Guarabira (PB), resolvi criar o site para publicar a Coluna do Nobre, que eu já publicava no Leões da Caponga. Isso aconteceu há cerca de 11 (onze) anos. Sou formado em História pela Universidade Estadual da Paraíba, turma de 1989 e funcionário aposentado do Banco do Brasil. Torço pelo Fortaleza Esporte Clube desde Outubro de 1960 e comecei a frequentar o Estádio Presidente Vargas, na condição de menino pobre na "hora do pobre". O estádio abria 15 minutos antes do término da partida para que os menos favorecidos tivessem acesso. Foi assim que comecei a torcer pelo Fortaleza. Morei em Guarabira (PB) por 27 anos e sempre vinha assistir a jogos do meu time. Guarabira (PB) dista 85 Km de João Pessoa capital Paraíbana e 650 km de nossa cidade Fortaleza (CE). Também morei em Patos (PB), Pau dos Ferros (RN), Nova Cruz (RN) União (PI) e Teresina (PI). Também cursei Administração de Empresas e Direito, em virtude de transferências, não terminei essas duas faculdades. Era o meu emprego e o pão de cada dia ou as faculdades.